TESTEMUNHAS DO ALÉM

Blog Espírita

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO

ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO Organizador desta compilação: Rubens Santini – abril/2004
I – Depressão infantil............................................3
II – Exercite-se para sair da depressão ...........................5
III – Depressão na adolescência.....................................6
IV – Dicas para combater o stress..................................8
V - As mulheres são as maiores vítimas............................8
VI– A depressão pode ser vencida..................................9
VII – Você está deprimido? ........................................10
VIII – Causas da depressão..........................................10
IX– Ajude a si mesmo.............................................12
X – Para ter uma boa noite de sono...............................13
XI – Um conselho de Chico Xavier .................................13
XII – Terapia para a depressão.....................................14
XIII – Modifique seus hábitos.......................................14
XIV - O processo obsessivo na depressão............................15
XV – Antídoto para a depressão....................................16
XVI – A opinião de um neuropsiquiatra Espírita ....................17
XVII – Comportamento depressivo.....................................18
XVIII– Atendimento Fraterno.........................................19
XIX – As duas tristezas............................................21
XX– Fontes bibliográficas utilizadas como pesquisa...............22

ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃ
Em nossa vida podemos, de tempos em tempos, passar por algum periodo de “baixo-astral”. Seja na morte de um ente querido, ou no rompimento de uma relação afetiva, por exem-plo. Podemos ficar tristes, irritados, ansiosos, comer a todo instante, chorar ou dormir mal. Este processo pode durar alguns dias e depois voltamos a viver normalmente.
Mas, este tipo de “baixo-astral” não é o que os médicos chamam de depressão.
Na verdade, depressão é uma doença mais grave, cujos sintomas se apresentam mais intensos e duradouros, afetando tanto o corpo físico quanto a mente.
Ela pode se manifestar a qualquer instante, e sem razões aparentes que possam justificá-la, não necessitando, por exemplo, estar de luto ou haver um rompimento de uma rela-ção.
A doença depressiva pode estar presente em diversos momentos da vida, podendo até ser ignorada e não ser diagnosticada.2
É possível identificá-la em fases da vida muito preco-ces, como na infância, no periodo escolar ou na adolescên-cia. E muitas vezes não é dada a devida atenção, podendo correr o risco de se tornar crônica ou podendo se arrastar penosamente por muitos anos, afetando gravemente a qualidade de vida da pessoa.
Na depressão, muitas vezes, o que pode adoecer é o comportamento do individuo. Por consequência, seus relacio-namentos são afetados, suas atividades profissionais,... Seria como essa pessoa deixasse de existir e uma outra estivesse em seu lugar, mais triste, mais calada, sem alegria em viver.
A depressão é uma doença que pode ser tratada com sucesso! O tratamento deve ser holístico, envolvendo a medicina, a psicoterapia, o apoio espiritual e a cumplici-dade dos familiares com a sua solidariedade, paciência e muito amor!
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 3
3
I – Depressão infantil
Crianças tem depressão, e a incidência está aumentando a cada dia!
Uma criança desatenta na escola, apática ou mesma hiper-ativa, merece ser observada.
O maior problema é que os sintomas da depressão se com-fundem facilmente com os comportamentos típicos nesta fase da vida.
O sintoma que deve chamar a atenção para a suspeita de depressão infantil é a mudança de atitude da criança.
Atividades lhe davam prazer, passar a ser tratadas com desinteresse. Há alterações no apetite, retraimento social, irritabilidade, agressividade, ...
Nas crianças mais novas, devido a falta de habilidade para uma verbalização que demonstre seu real estado emocio-nal, a depressão pode se manifestar através da hiper-ativi-dade.
Além das dificuldades da doença, o seu tratamento esbar-ra num problema bastante comum: o preconceito. Muitos pais relutam em aceitar o fato de que o filho precisa ser encami-nhado a um psiquiatra. Além de não admitir que o filho possa estar com depressão, levá-lo a um psiquiatra, ou um psicote-rapeuta, seria taxá-lo como doente mental. É fundamental que os pais aceitem este diagnóstico, pois o tratamento é uma forma de prevenir quadros piores. Nos últimos anos, a inci-dência de suicídios entre adolescentes praticamente tripli-cou. A maioria deles devido a depressão não tratada.
Uma das principais causas, que podem contribuir, para o aumento desta doença entre crianças e adolescentes, é a liberdade sem limites dados numa fase em que ainda eles não possuem estrutura para organizar o que é bom ou não para si. A liberdade desassistida pode levar, também, a depressão.
Um outro ponto que os pais tem que avaliar, é o de atribuir âs crianças responsabilidades de adulto, com sobrecarga de atividades extra-curriculares, com uma agenda de fazer inveja a qualquer executivo. Criança também precisa de tempo para o lazer e as brincadeiras.
Abaixo, estão relacionados alguns sinais e sintomas su-gestivos de depressão infantil. Se a criança tiver um número suficientemente importante dos itens, fique atento e procure ajuda especializada (neuropsiquiatra, psicoterapeuta,...):
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 4
4
(1) Queda no rendimento escolar;
(2) Recusa em ir à escola;
(3) Falta de concentração;
(4) Condutas anti-sociais e destrutivas;
(5) Ansiedade, irritabilidade, agressividade;
(6) Negativismo, pessimismo;
(7) Sentimento de rejeição;
(8) Falta de interesse por atividade que lhe dava prazer;
(9) Perda ou aumento de peso;
(10) Mudanças de humor significativas;
(11) Queixas somáticas (cefaléias,gastrite,diarréias,...);
(12) Distúrbios do sono (insônia ou dormir demais).
Entretanto, é muito importante determinar se esses sintomas estão, de fato, relacionados com um quadro depressivo, ou se são parte de alterações emocionais da própria idade. Somente um médico poderá fazer o diagnóstico com precisão!
A revista “Pais & Teens”, editada pelo IPA (Instituto Paulista da Adolescência) – maio/junho/julho de 1998, relatou uma experiência bastante interessante, num trabalho de recuperação de crianças depressivas:
“No inicio de 1998, a psiquiatra Eliana Curatolo, coordenou uma pesquisa que envolveu 579 crianças de 7 a 12 anos, alunos da 1ª à 4ª séries de duas escolas de Mairiporã(SP) e Franco da Rocha(SP). Um questionário aplicado aos alunos revelou que 122 deles (21%) sofriam de sintomas depressivos. Muitos destes alunos eram indisciplinados, tinham baixo rendimento e eram punidos ou colocados em classes especiais. Segundo a psiquiatra, pais, professores e as próprias crian-ças não entendiam as razões do seu comportamento e não sabiam que se tratava de depressão. Tratadas, as crianças melhoraram de comportamento e de rendimento intelectual. O interessante é que todas as crianças deprimidas, tratadas por Eliana com terapia em grupo, melhoraram sem nenhuma medicação.
O psiquiatra Haim Grunspum também acredita que a psicotera-pia seja mais eficaz na depressão do adolescente e infantil do que a medicação antidepressiva. “Podemos tentar ajudar com a medicação, mas não é o que mais funciona. A psicotera-pia é imprescindível. Se não fizer a terapia, não vai resol-ver a depressão”, diz Grunspum.”
o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 5
5
II – Exercite-se para sair da depressão
A nota abaixo foi extraída da revista “Tudo” (Ed Abril) de 10/08/2001:
“Os exercícios físicos são um santo remédio também para a mente.
Pesquisadores da Universidade de Berlim, na Alemanha, comprovaram que cerca de meia hora de atividade física por dia já é suficiente para melhorar os sintomas da depressão.
Durante dez dias, médicos alemães submeteram pacientes deprimidos a sessões diárias de meia hora de caminhada na esteira.
A melhora foi significativa e alguns doentes dispensaram até o uso de antidepressivos.
Os exercícios liberam hormônios no cérebro, que aumentam a sensação de bem-estar e melhoram o humor.”
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 6
6
III – Depressão na adolescência
Como saber se o jovem está deprimido ou com uma tristeza passageira? Pode ser uma oscilação de humor típico desta faixa etária?
Para ser caracterizado um transtorno depressivo, os sin-tomas tem que ter uma duração mínima de duas semanas.
É normal o adolescente ficar de “baixo-astral” por um tempo, devido a uma separação dos pais, briga com a(o) namo-rada(o). Este tipo de tristeza é uma resposta normal que se atenua com o passar do tempo. Já o transtorno depressivo demora para passar e podem não ter causas muito claras.
É necessário ficar atento para reconhecer os principais sinais da depressão nos adolescentes:
(1) passam a isolar-se com frequência;
(2) sentem-se desanimados e sem energia;
(3) perdem interesse por atividade que lhe dava prazer;
(4) cai o rendimento escolar;
(5) irritabilidade, mau humor;
(6) baixa auto-estima;
(7) cansam-se facilmente.
A seguir, transcrevemos o editoral da revista “Pais & Teens”, que foi editada pelo Instituto Paulista da Adoles-cência (número 8 – maio/junho/julho de 1998), escrita pelo seu diretor, Dr. Eugênio Chipkevitch, que nos exemplifica o que foi descrito acima:
“Entre milhares de jovens que já tive o privilégio de atender como médico e terapeuta de adolescentes, não me esqueço de uma moça de uns 15 anos que me procurou com queixas de mal-estar, dores pelo corpo, cansaço fácil e outros sintomas físicos que a fizeram percorrer, até então, pelo menos uma dezena de consultórios médicos. A garota de olhar triste e postura tensa, me trazia uma pilha de exames, raio X, receitas e ... história de uma vida difícil, em meio a conflitos familiares, desafetos, fracasso escolar. O que de mais grave poderia ter ela do que uma auto-estima deplo-rável, uma decepção profunda com o ninho doméstico em que foi gerada, uma descrença no futuro que se julgava incapaz de construir? Vítima de uma crônica e severa depressão, obviamente não haveria de encontrar respostas em hemogramas
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 7
7
que buscavam entender seu cansaço, ou glicemias que preten-diam explicar seus desmaios, ou radiografias que não tinham como perscrutar a origem da tensão que empedermia as suas costas. A garota não só não tinha sido ouvida em toda a sua peregrinação pelo pervertido sistema de saúde, como não en-contrava eco de compreensão dentro da própria casa. Tinha que adoecer para ser atendida, tinha de crispar-se em terrí-veis dores de cabeça para poder chorar. Pedi-lhe a autoriza-ção para falar à mãe sobre sua depressão, sobre como somati-zava seu sofrimento, sobre os seus planos de suicídio, sobre a sua necessidade de ajuda. Concordou, com um esboço de es-perança de que eu fosse capaz de traduzir para a sua mãe a difícil linguagem das suas dores.
Uma senhora elegante e perfumada entrou para ouvir as conclusões da minha consulta.
“Depressão? Não são coisas da idade doutor? Ela tem de tudo, só tem a obrigação de estudar. Depressão a troco de que? Só se for hormônios, sei lá. Ela ainda não fez nenhuma dosagem de hormônios...”
“Suicídio?” – Senti uma breve hesitação na voz da senho-ra petrificada em auto-defesa contra as culpas que a ameaça-vam emergir. Mas logo se recompôs, e o que eu ouvi não esqueço:
“Quem jã não pensou nisso doutor? Eles pensam muita bo-bagem. Já fui adolescente, sei como é. Tudo isso passa.”
Elas foram embora, a garota nunca mais voltou ao meu consultório, mas acredito que tenha continuado a frequentar outros em busca de exames e remédios.
Nesta época de maravilhosas descobertas, em bactérias passam a explicar úlceras, neurotransmissores traduzem emo-ções complexas e os psiquiatras afirmam que a depressão do adolescente não tem prevenção porque é doença genética, volto a me lembrar desta consulta e da triste garota que espero não tenha engrossado as estatísticas nacionais de suicídio entre adolescentes, que continuam em ascensão.”
o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 8
8
IV – Dicas para combater o stress
(1) Ande de bicicleta;
(2) Faça caminhadas;
(3) Tenha contato com a natureza;
(4) Procure dormir 8 horas por dia;
(5) Alimente-se bem;
(6) Ingira, pelo menos, 2 litros de água por dia;
(7) Evite levar problemas do trabalho para casa.
o-o-o-o-o-o-o
V – As mulheres são a maiores vítimas
Em uma declaração dada à revista “Veja” (Ed. Abril) de 31/03/99, na matéria “Doença da alma”, o psiquiatra america-no Peter Whybrow, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, definiu uma imagem para descrever a depressão:
“Para se ter uma idéia do que é uma depressão severa, tente entender o desconforto de várias noites sem dormir, misturada à dor causada pela perda de um parente querido. Depois imagine a sensação de que esse torpor nunca mais vai acabar. Isto é crise depressiva.”
Depressão é uma dor que fica, mesmo quando o problema vai embora.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, ela se tornou o mal mais comum entre as mulheres, superando o câncer de mama e as doenças cardíacas.
As mulheres são duas vezes mais propensas a terem o diagnóstico da depressão do que os homens. Há inúmeros moti-vos para isto, entre eles podemos destacar:
(1) As mulheres admitem mais seus sentimentos do que os homens. Como elas vão mais frequentemente, que os homens, aos consultórios médicos, havendo assim mais oportunidades para diagnosticar esta doença.
(2) As mulheres tem um nível maior dos hormônios estrò-geno e progesterona, que mudam seus níveis durante o ciclo menstrual, na gravidez, no parto e na menopau-as.
(3) A pílula anticoncepcional, que contém hormônios se-xuais, pode também ser uma causa da depressão.
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 9
9
As mulheres são muito mais abertas para aceitar e reve-lar que sofrem de depressão. O homem acha que é um sinal de fraqueza admitir que está com este mal.
o-o-o-o-o-o-o
VI – A depressão pode ser vencida
(1) A cantora e popstar Alanis Morissette, por dedicar excessivamente à sua carreira, desencadeou a doença. Ela se tratou exercitando a yoga, praticando esportes e teve uma mudança radical na forma como levava a vida. Uma das atitudes que considerou mais importante para a sua melhora, foi reatar antigas amizades.
(2) Marina Lima, cantora brasileira, teve há alguns anos atrás um problema nas cordas vocais. Sentiu que estava “perdendo a voz”. Descobriu após um certo tempo, que era uma somatização de uma depressão que vinha sofrendo. Tomou antidepressivos e fez terapia. Após alguns meses, sua voz voltou ao normal.
(3) A engenheira Andrea T. (28 anos) entrou em depressão porque achava que era perseguida por uma antiga chefe. Vivia de mau humor, não tinha apetite e não saia de casa. Após alguns meses de crise, submeteu-se à terapia cognitiva (focada nos pensamentos negativos que rodam o depressivo). Aprendeu a dominar a raiva e a entender que os pensamentos negativos podem ser controlados.
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 10
10
VII – Você está deprimido?
Alguns médicos relacionam nove principais sintomas para identificar a depressão. Quem apresentar pelo menos quatro deles, durante mais de duas semanas consecutivas, deve procurar ajuda especializada:
(1) Perda de interesse por atividades que lhe davam prazer;
(2) Dificuldade para se concentrar;
(3) Sensação de cansaço;
(4) Auto-estima reduzida;
(5) Alteração de apetite;
(6) Sentimento de culpa;
(7) Falta de perspectiva do futuro;
(8) Perturbação do sono (insônia ou dormir em excesso);
(9) Idéia recorrente de suicídio e morte.
o-o-o-o-o-o-o
VIII – Causas da depressão
Todos nós temos nossas forças e fraquezas. Algumas pessoas têm maior risco de terem depressão do que outras. Veja abaixo alguns itens que foram apontados como fatores provocadores desta doença:
(1) Herança genética – há muitos gens envolvidos e a medicina ainda sabe muito pouco a respeito, para afirmar com plena convicção, que a herança genética pode levar à depressão. Não iremos desenvolver este mal só porque nosso pai, mãe ou irmão são deprimidos. Mas, segundo a medicina, o nosso risco aumenta, principalmente se tivermos um gêmeo idêntico com depressão.
(2) Stress – o stress pode levar à depressão quando existir por muito tempo.
(3) Tipo de personalidade – pessoas obsessivas, dogmáticas, rígidas e que escondem seus sentimentos tem um risco maior, assim como aquelas que ficam facilmente ansiosas.
(4) Modo de pensar – pessoas que são muito negativas em relação a si próprias tem uma tendência maior de sofrer de depressão.
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 11
11
(5) Educação na infância e adolescência – pais exigentes e que não toleram o fracasso, podem deixar os seus filhos ansiosos e propensos à depressão.
(6) Ser mulher – as mulheres são mais propensas a terem o diagnóstico de depressão do que os homens. Há mudanças hormonais no ciclo menstrual, na gravidez, no parto e menopausa. Além das pressões sociais que sofrem e da dupla jornada de trabalho (dentro e fora de casa).
(7) Medicamentos – alguns medicamentos podem causar a depressão, mas nem por isso você deve interromper o seu tratamento sem antes consultar o seu médico. Interromper a sua ingestão pode ser mais perigoso do que a própria depressão. Eis os tipos medicamentos: comprimidos anti-epilépticos, medicamentos contra-pressão alta, contra o mal de Parkison, os principais tranquilizantes, terapia com esteróides (para asma, artrite,...), diuréticos,...
(8) Falta de luz solar – a maioria das pessoas se sentem melhor no verão do que no inverno. Há individuos que começam a ficar deprimidos quando se inicia o inverno. Elas sofrem de Transtorno Afetivo Sazonal, devido aos níveis de um hormônio chamado melatonina.
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 12
12
IX – Ajude a si mesmo
Quando a depressão é leve, podemos nos beneficiar de algumas medidas muito simples de auto-ajuda. Mas, quando a sua condição é mais grave, estas medidas devem fazer parte de um plano a ser discutido com seu médico ou terapeuta. Estas medidas não só auxiliam a afugentar a depressão, como também a tratá-la e a apoiar a sua recuperação:
(1) Cante – mesmo não possuindo voz afinada, cante com a voz que Deus lhe deu. Dê preferência cante melodias alegres.
(2) Mexa-se – se ficamos parados, entregues, alimentando pensamentos negativos, será o mesmo que conservar lixo dentro de casa. A atividade física desvia a mente desses pensamentos, operando renovação no campo mental, desli-gando-nos da sintonia com os Espíritos infelizes. Ande, nade, pedale, ... Mas, se você está muito tempo sem fazer exercícios, seja cauteloso e comece devagar!
(3) Não fique sozinho – saia de casa, encontre os amigos, vá ao cinema. Procure um Centro Espírita, ou um templo religioso, para receber esclarecimentos ou para desaba-far.
(4) Ore – orando, estabelecemos sintonia com os Espíritos bons, que nos protegem e nos cercam de cuidados, nos dando sugestões e revigorando as nossas energias.
(5) Leia – faça leitura edificantes e consoladoras. Busque nos livros espíritas, principalmente nas obras de Allan Kardec e nas psicografias de Chico Xavier, as páginas de alento e consolo, encontrando a força e o otimismo.
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 13
13
X – Para ter uma boa noite de sono
Os problemas de sono são muito comuns e as pessoas de-primidas tem uma predisposição para a insônia. Além disso, a falta de sono torna mais difícil a concentração e nos deixa sem energia para lutar contra esta doença.
Abaixo estão listadas algumas dicas muito úteis para que possamos ter uma boa noite de sono:
(1) Inicialmente, procure acordar mais cedo neste dia.
(2) Faça algum tipo de exercício durante o dia.
(3) Não tire cochilos durante o dia.
(4) Não faça refeições pesadas à noite, nem beba café, chá mate ou preto, ou bebida alcóolica.
(5) Beba um copo de leite morno 15 minutos antes de ir para a cama.
(6) Não faça exercícios antes de ir para a cama.
(7) Esqueça seus problemas lendo um livro antes de dormir.
(8) Vá para a cama na hora certa, para que seu corpo desenvolva um ritmo natural.
o-o-o-o-o-o-o
XI – Um conselho de Chico Xavier
Extraímos do livro: “Kardec prossegue”, de Adelino da Silveira, Ed. Cultura Espírita União, duas questões feitas à Chico Xavier:
“O que é depressão?”
Chico: “É a tristeza indevida que se transfigurou em desâni-mo, obscurecendo na criatura o valor do trabalho. Chegando ao clímax desse desencanto incompreensível diante da vida, muitas vezes, a vítima desse semelhante infortúnio, cai no desequilibrio das forças mentais, candidatando-se à matrí-cula num sanatório ou, mesmo, descendo os degraus do abismo invisível no qual se entrega facilmente às garras da morte prematura.
“Como evitá-la?”
Chico: “Trabalhando incessantemente para o bem geral, sem qualquer expectativa de compensação material ou espiritual, de vez que, quem auxilia a outros está, particularmente auxiliando a si próprio.”
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 14
14
XII – Terapia para a depressão
A depressão é um estado mental caracterizado por sensações extremas de abatimento, tristeza e um imenso vazio.
Entre suas causas, podemos destacar a baixa auto-estima, stress, falta de sol (principalmente no inverno), deficiên-cias nutricionais, uma reação negativa diante de aconteci-mentos da vida (desemprego, perdas afetivas, ...).
A terapia, ou a psicoterapia, é uma ferramenta útil e eficaz no combate à depressão, principalmente quando a pes-soa se dispõe a realizar, paralelamente, outras atividades práticas que o auxiliem na sua cura, além do tratamento espiritual que é muito importante.
Mesmo que o individuo opte por realizar um tratamento psiquiátrico, com medicamentos antidepressivos, ainda assim a terapia é aconselhada, pois a medicação por si só não fará o efeito por muito tempo, se a pessoa não estiver preocupada em modificar antigos padrões mentais.
Neste caso, a terapia será útil para identificar as cau-sas mais profundas da depressão, como medos fobias, insegu-ranças, baixa auto-estima, egoísmo, ...
o-o-o-o-o-o-o
XIII – Modifique seus hábitos
(1) Pare de fumar – o cigarro prejudica nosso organismo, enfraquecendo o sistema imunológico, deixando mais propenso às doenças.
(2) Evite cafeína e açúcar – testes comprovaram que teremos uma melhora extraordinária no nosso estado de espírito após eliminar o consumo de doces e cafeína.
(3) Faça alimentação mais saudável – coma mais peixes, legu-mes e frutas. A proteína do peixe ajuda a aumentar a nossa vitalidade.
(4) Exercite-se – Passeie mais, caminhe todo dia, principal-mente em locais arborizados. Aceite convite para sair com os amigos.
(5) Faça um trabalho voluntário – Doar-se é um bom remédio para descobrir o valor da vida.
(6) Tenha um animal de estimação – Ele será o seu grande amigo. O contato com os animais nos traz tranquilidade e tem um maravilhoso poder terapêutico.
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 15
15
XIV - O processo obsessivo na depressão
A depressão pode ser causada por um processo obsessivo. Mas, essa obsessão pode ser fator secundário nesta depres-são, se ela for biológica.
O obsessor pode apenas estar se aproveitando de uma fra-queza do individuo, devido a sua doença, para atuar malevo-lamente.
Geralmente, o obsessor se aproxima das pessoas nas se-guintes condições:
(1) Débito de um Espírito para com outro, originado nesta ou em outra vida. Neste caso, o obsessor se aproxima por motivo de vingança.
(2) O mal uso da mediunidade também atrai maus Espíri-tos.
(3) Pela falta de ação do bem. Os Mentores Espirituais nos recomendam que devemos sempre fazer o bem, e que responderemos por todo mal que fizermos. Mas, muitas obsessões ocorrem por causa da nossa omissão, ou seja, podíamos ter feito o bem, tivemos as oportuni-dades para isso, mas deixamos de fazê-los.
No caso da depressão pela obsessão, como poderemos melhorá-la?
(1) O ser encarnado não pode se abater. É preciso paciência e procurar se renovar moralmente.
(2) Por consequência, o desencarnado irá desanimar por não obter os efeitos desejados, e irá se afastar. Ou, recebendo os esclarecimentos necessários, dentro de um trabalho de desobsessão, e pelas vibrações que poderá receber, poderá ser encaminhado para uma co-lônia espiritual e continuar o seu desenvolvimento.
(3) Pela ação de terceiros, poderá receber energias fluídicas (passes), vibrações, esclarecimentos, além da ajuda da psicoterapia e dos medicamentos.
É claro que a forma e o tempo de tratamento irá variar de acordo com a intensidade da doença. Se é de carater obsessivo, o tratamento é a desobsessão. Se é de carater biológico, o tratamento espiritual será auxiliado por medi-camentos (antidepressivos) e das sessões de psicoterapia.
É preciso utilizar todos os recursos disponíveis para a cura: medicamentos, passes, desobsessão, ...
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 16
16
Para evitar depressão é necessário trabalhar, vigiar e orar, desfazer-se de possíveis culpas.
Viemos à Terra para crescermos espiritualmente, traba-lhar em favor do próximo. Ficar à toa, deprime! Não ceda jamais à tristeza e ao desânimo!
o-o-o-o-o-o-o-o
XV – Antídoto para a depressão
O antídoto para a depressão, mais do que os antidepres-sivos ou o tratamento terapêutico, é a ocupação.
Seja a atividade profissional, o lazer, o trabalho de amor ao próximo.
Quem se achar em sofrimento, procure ser útil.
Quem vive gastando o tempo reclamando da vida, da má sorte, experimente aplicar as horas tristes em alguma ativi-dade.
Podemos começar pelas pequenas tarefas dentro de casa, arrumando o jardim, reparando objetos quebrados, ...
O trabalho é um recurso muito valioso para fazer o tempo passar de maneira mais digna e saudável.
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 17
17
XVI – A opinião de um neuropsiquiatra Espírita
Dr. Franklin Antônio Ribeiro, médico, neuropsiquiatra e psicoterapeuta, dirigente do Grupo Espírita Hosana Krikon, deu entrevista à “Revista Cristã de Espiritismo”, nº 24 (Ed.Escala), onde destacamos os trechos abaixo:
“Como a depressão é analisada no ponto de vista médico, humanista e espiritual?”
Dr. Franklin: “A depressão tem várias faces. Do ponto de vista humanístico, o amor, desde a infância, é fator primor-dial e começa dentro da família. Se há relação sincera entre os parceiros, a criança vai crescer dentro de um lar estru-turado, mesmo com todas as dificuldades naturais de uma re-lação humana. O individuo aprende desde cedo a lidar com a insatisfação, com as crises, com o respeito, a amizade, des-prendimento e outros aspectos importantes nos relacionamen-tos. Muitas vezes a pessoa está com a auto-estima baixa, sem auto-confiança, desanimada, desinteressada, sem prazer na vida e sente que alguém se interessa por ela, sua imunidade melhora muito. O ser humano precisa se sentir reconhecido. Sem isso, começa a sentir uma sensação de vazio e angústia.
(...) Do ponto de vista médico, a depressão é uma falta de neurotransmissores no cérebro, que necessita de medica-mentos, ou seja, de um controle químico.
Pelo ângulo espiritual, a culpa, o remorso, a mágoa e o ressentimento levam a pessoa a estados depressivos, podento causar o desenvolvimento de doenças psicossomáticas e até mesmo o câncer. Portanto, o amor e o perdão que a Doutrina Espírita tanto nos ensina são sentimentos também preventi-vos.”
“O que fazer diante dos sintomas de uma depressão?”
Dr Franklin: “Primeiro procurar um médico psiquiatra para que não sejam tomados remédios ministrados de forma errada. Cada paciente necessita de um antidepressivo específico. Se além do remédio, da terapia, dos cuidados com o sono, com a alimentação e das relações, o deprimido fizer um tratamento espiritual com passes magnéticos e água fluidificada e lei-tura do Evangelho, tanto melhor. O tratamento completo en-globa o biológico, psicológico, social e espiritual.”
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 18
18
XVII – Comportamento depressivo
A depressão, às vezes, pode aparecer mascarada por fatores, tais como: agitação, confusão mental, humor com altos e baixo, esquecimento, ... Listamos a seguir, alguns outros sintomas mais comuns:
(1) Perda da libido: há a perda do interesse pelo trabalho, pelo(a) conjuge (inclusive do interesse sexual), pela familia, pelos amigos, pelas diversões, chegando às vezes a se descuidar de si próprio, das roupas e da higiene pessoal.
(2) Alterações dos hábitos: passam a comer mais(outras vezes a comer menos), alteram seus horários de alimentação e sono. É uma forma de fugir dos problemas.
(3) Baixa auto-estima: não acredita nos seus potenciais, idéias pessimistas em relação às situações e a sua vida. Pode inclusive pensar em suicídio.
(4) Sintomas psicossomáticos: pode desenvolver sintomas físicos, como por exemplo: pressão alta, enxaquecas, gastrites, dores lombares e cervicais,... Estas somati-zações desaparecem após o tratamento.
Os sintomas trazem uma mensagem que precisa ser deci-frada. Se não decifrarmos o sentido inconsciente da depres-são, este quadro voltará em outra situação que tenha o mesmo sentido.
Sairemos desse quadro com rapidez, se junto ao tratamen-to médico, da psicoterapia, se submetermos também ao trata-mento espiritual com passes magnéticos (fluidoterapia), cro-moterapia e evangelização.
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 19
19
XVIII – Atendimento fraterno
Logo a seguir, está uma parte de um artigo (“Depressão”) escrito para a internet, pelo Dr. Jairo Avelar, psicólogo clínico, presidente do Conselho Regional Espírita (Belo Horizonte-MG) no site www.sosdepressao.com.br :
“(...) As Casas Espíritas, muito em especial aos amigos que militam nas atividades do Atendimento Fraterno há de se ter muita atenção e dedicação apontado ao seio Espírita sob o acicate da Depressão. (...)
Assim teremos sempre muito a oferecer, e num trabalho consciente NÂO DEVEREMOS:
(1) Em hipótese alguma interferir sobre a medicação prescri-ta para o assistido, dado a sua importância em qualquer caso. Há de se ter a consciência que os Farmácos indica-dos, as doses prescritas, os exames solicitados, e as marcações para o retorno clínico, todos estes detalhes fazem parte do tratamento do profissional médico que conduz o caso. Este profissional é preparado e apto para lidar com tais questões e esta condução cabe a ele e somente a ele decidir sobre quaisquer alterações de curso.
(2) Os Espíritos Superiores não interferem sobre o tratamen-to efetuados pela Medicina, e nem ocupam tal lugar em receituário, atuam tão somente em seu aspecto espiritual revigorando as energias do assistido e abrindo as pers-pectivas de cura.
(3) Interferir sobre o trabalho do Psicoterapeuta naquilo que seja orientado em sua terapia, já que este profis-sional da Psicologia, possui também um plano de trabalho com o paciente, e que junto da referência Médica formam um núcleo de apoio Multiciplinar em função do assistido.
(4) Estabelecer cobranças e exigências aos modelos comporta-mentais do irmão depressivo, é sempre impossível pular a própria sombra, deveremos procurar dar sempre preferên-cia a atendimentos mais rápidos e objetivos, privile-giando o mais possível o processo de escuta.
(5) Evitar situar estes companheiros nas reuniões mediúni-cas, seja de Educação e ou de outra forma qualquer, e muito em especial nas reuniões de carater de desobses-são, seja como trabalhador, assistido ou assistente.
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 20
20
Entretanto nós DEVEREMOS:
(1) Dar-lhe suporte através de nossas reuniões, onde haja a prática de Irradiação, considerando que estes processos podem ter como pano de fundo uma obsessão.
(2) Fluidoterapia contínua.
(3) Hidroterapia contínua.
(4) Localizá-los nas reuniões de estudos Evangélicos, onde a mensagem consoladora seja sempre a tônica dos trabalhos realizados.
(5) Orientar a familia quanto as intercorrencias de carater espirituais, bem como sobre o quadro depressivo em si, sempre priorizando o sentido consolador da Doutrina.
(6) Não esquecermos de agirmos sempre pacientemente já que conforme nos assevera Philomeno de Miranda: “A terapêu-tica embora seja a mesma, seus resultados variam segundo os pacientes, suas fichas cármicas e os esforços que empreendem para destrincarem as tramas em que se envol-vereram.”
(7) Entendermos por fim, que a Assistência Espiritual, dada pela Casa Espírita é parte integrante da Multiciplinari-dade canalizada em função do enfermo, e como tal, a questão é de soma de esforços, e os resultados competem tão somente a Jesus.”
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 21
21
XIX – As duas tristezas
Tristeza é um sentimento que todos tem e faz parte da vida.
Um ente querido que partiu para o Plano Espiritual, um casamento desfeito, problemas familiares,... São situações que deixam qualquer um de “baixo-astral”. Mas, quem não vivencia a tristeza de uma forma adequada, acaba entrando em depressão.
Emmanuel, através de Chico Xavier, no livro “Coragem”, nos diz, muito sabiamente, o seguinte:
“Há, sim, a tristeza construtiva – aquela que nos impul-siona para a vida superior – encaminhando-nos para o traba-lho de melhoria íntima, perante a sede de ascensão espiri-tual.
Existe porém, a outra – tristeza destrutiva – que se traja de luto, por dentro do coração, todos os dias, espa-lhando desânimo e pessismismo onde passa.
Observa a ti mesmo, a fim de que te imunizes contra se-melhante doença da alma. (...)
Nós que sabemos rogar a Deus proteção e benção, apren-damos igualmente a pedir à Divina Providência nos conceda a precisa coragem para silenciar desapontamentos e lágrimas de maneira a doar paz e alegria, segurança e consolo aos ou-tros, tanto quanto esperamos estes benefícios dos outros em auxílio a nós.”
“QUE A PAZ DE JESUS ABENÇOEM TODOS NÓS”
o-o-o-o-o-o-o
ANTÍDOTO PARA A DEPRESSÃO 22
22
XX – Fontes bibliográficas utilizadas como pesquisa
(1) Na internet, o site: www.sosdepressao.com.br
(2) “Não é questão de boa vontade – Convivendo com a Depressão” – Giorgio Maria Bressa e Johann Rossi Mason – Ed. Itália Nova.
(3) “Guia da Saúde Familiar - Depressão” – The British Medical Association – Publicação da Revista ISTO É – com a supervisão do Hospital Albert Einstein.
(4) Folha Equilíbrio – jornal Folha de São Paulo
(5) Revista “Pais & Teens” – Publicação do Instituto Paulista de Adolescência.
(6) “Revista Espírita Allan Kardec” – publicação da Editora Paulo de Tarso – Centro Espírita Francisca de Lima – Goiânia – GO.
(7) “Tormentos da Obsessão” – Manoel Philomeno de Miranda através de Divaldo Franco.
(8) “Revista Cristã de Espiritismo” – Ed. Escala.
(9) Revista Semanal Informativa “Tudo” – Ed. Abril.
(10) Revista Mensal “Vida Simples” – Ed. Abril.
(11) Revista Semanal “Veja” – Ed. Abril.
Organizador desta compilação: Rubens Santini (rubsanti@uol.com.br)
A cópia é permitida, desde que sejam citadas as fontes bibliográficas. São Paulo, abril de 2004.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Os Cientistas e Espiritismo








Se os fenômenos espiritistas se limitassem ao círculo de seus seguidores, a opinião geral poderia ver neles simples artigos de fé, sem maiores consequências de interesse geral.

Mas na verdade é que esses fenômenos se multiplicaram, numa sucessão sempre audaz e desafiadora.

O expediente de proibições e excomunhões se tornaria ineficaz, desacreditado e ingênuo diante da avalanche de fenômenos variados: vozes misteriosas, contato de mãos invisíveis, materializações de espíritos, escritas diretas, aparições de espíritos familiares, revelações de uma vida superior e mais bela,atestando a inquestionável sobrevivência da alma.

Era natural que, em face do volume de tantos fatos, a sociedade requisitasse o exame consciencioso de seus sábios e cientistas.

Então os cientistas, acossados por todos os lados, descruzaram os braços e se puseram a campo para uma investigação rigorosa e fria.

A ciência, representada por um grupo de personalidades sérias e refratárias a imposições religiosas, foi chamada a depor.

E depôs de tal forma, que o Espiritismo foi, por assim dizer, fotografado, pesado e medido.

WILLIAN CROOKES

Coube a Willian Crookes, o célebre físico inglês, chamar a atenção de toda Europa racionalista para a realidade dos fatos espíritas. Muitos esperavam de suas investigações uma condenação irrevogável e humilhante.

Todavia o veredito do eminente sábio foi favorável. A Inglaterra cética assustou-se com as certezas obtidas dentro do mais severo método científico e cercadas de prudência extrema.

Afinal, era preciso aceitá-las, porque Crookes pesquisou com frieza, observou pacientemente, fotografou, provou, contraprovou e rendeu-se!




A. RUSSEL WALLACE


A. Russel Wallace, físico naturalista, considerado rival de Darwin, confessa: “Eu era um materialista
tão convencido, que não admitia absolutamente a existência do mundo espiritual. Os fatos, porém, são coisas pertinazes. Eles me obrigam a aceitá-los como fatos”.





CROMWEL VARLEY

Cromwel Varley, engenheiro, descobridor do condensador elétrico: “O ridículo que os espíritas têm
sofrido não parte senão daqueles que não tem tido o interesse científico e a coragem de fazer
algumas investigações antes de atacarem aquilo que ignoram.”




OLIVER LODGE


Óliver Lodge, membro da Academia Real, físico responsável, declara: “Não viemos anunciar uma verdade extraordinária; nenhum novo meio de comunicação trazemos, apenas uma coleção de provas de identidade cuidadosamente colhidas.
Digo “provas cuidadosamente colhidas”, pois que todos os estratagemas empregados para sua
obtenção foram postas em prática e não fiquei com nenhuma dúvida da existência e sobrevivência da personalidade após a morte”.



 
WILLIAN BARRET

William Barrett, professor de física: “É evidente a existência de um mundo espiritual, a
sobrevivência depois da morte e a comunicação ocasional dos que morreram. Ninguém, dos que
ridicularizam o Espiritismo, lhe concedeu, que eu saiba, atenção refletida e paciente. Afirmo que toda pessoa de senso que consagrar o seu estudo, prudente e imparcial, tantos dias ou mesmo tantas horas, como muitos de nós tem consagrado anos, será constrangido a mudar de opinião.”




FREDERICO MYERS

Frederico Myers, da sociedade Real de Londres: “Pelas minhas experiências convenci-me de que os
pretendidos mortos se podem comunicar conosco e penso que, para o futuro, eles poderão fazê-lo
de modo mais completo”.




A. DE MORGAN

A. de Morgan, presidente da Sociedade de Matemática de Londres: “Estou absolutamente convencido
do que tenho visto e ouvido a respeito dos fenômenos chamados espíritas, em condições que
tornam a incredulidade impossível”.




ERNESTO BOZZANO

Ernesto Bozzano, que por mais de trinta anos se dedicou aos estudos psíquicos: “Afirmo, sem receio
de erro, que, fora da hipótese espírita, não existe nenhuma outra capaz de explicar os casos
análogos ao que acabo de expor”.



OCHOROWICZ

Ochorowicz, professor de Psicologia da Universidade de Lemberg: “Quando me recordo de que, numa certa época, eu me admirava da coragem de Willian Crookes em sustentar a realidade dos
fenômenos espíritas; quando reflito, sobretudo, que li suas obras com o sorriso estúpido que
iluminava sempre a fisionomia de seus colegas, ao simples enunciado destas coisas, eu coro de
vergonha por mim próprio e pelos outros.”




CHARLES RICHET

Houve até quem fundou, uma nova ciência, com o objetivo exclusivo de verificar a autenticidade dos fatos supranormais. Este homem foi Charles Richet, criador da metapsíquica.

São dele as seguintes palavras: “Temos lido e relido, estudado e analisado as obras que foram
escritas sobre o assunto, e declaramos enormemente inverossímel e mesmo impossível que homens ilustres e probos como W. James, Chiaparelli, Meyrs, Zollner, de Rochas, Ochorowicz, Morselli, William Barrett, Gurney, Flammarion e tantos outros se tenham deixado, todos, por cem vezes diferentes, apesar de sua ciência, apesar de sua vigilante atenção, enganar por fraudadores e que fossem vítimas de uma espantosa credulidade. Eles não poderiam ser todos e sempre bastante cegos, para não se aperceberem de fraudes que deveriam ser grosseiras; bastante imprudentes para concluir, quando nenhuma conclusão era legítima; bastante inábeis para nunca, nem uns nem outros, fazerem uma só experiência irreprochável. “ A priori”, suas experiências merecem ser meditadas seriamente.”




GELEY

Quem vai agora depor é Geley, diretor do Instituto Metapsíquico de Paris, cientista exigente e poderosa inteligência: “É preciso confessar que os espiritistas dispõem de argumentos formidáveis. O
espiritismo só admite fatos experimentais com as deduções que eles comportam.”
“Os fenômenos espíritas estão solidamente estabelecidos pelo testemunho concordante de milhares e milhares de pesquisadores. Foram fiscalizados, com todo rigor dos métodos experimentais, por sábios ilustres de todos os países. Sua negação pura e simples equivale hoje a uma declaração de falência”.

Finalmente Geley dá este admirável testemunho de estudioso honesto: “Notemos imediatamente que não há exemplo de uma sábio que tenha negado a realidade dos fenômenos depois de estudo um tanto aprofundado. Ao contrário, numerosos são aqueles que, partindo de completo ceticismo, chegam à afirmação entusiástica.”




PAUL GIBIER


Paul Gibier, antes de aceitar o Espiritismo, era um cético declarado. Mas a obstinação dos fatos acabou por quebrar-lhe o negativismo: “Declaramos abertamente que, no começo dessas pesquisas, tínhamos a convicção íntima de que nos achávamos em face de uma colossal mistificação, que era preciso desmascarar. E foi preciso tempo para que nos desfizéssemos desta ideia.”

E acrescenta: “Não mais se permitem a censura e a zombaria fácil em tão grave assunto”.






FLAMMARION

Flammarion, o grande astrônomo, autor de tantas obras notáveis e respeitado como uma das maiores cerebrações da França no século passado, trouxe igualmente, o seu depoimento insuspeito: “A negação
dos céticos nada prova, senão que os negadores não observaram os fenômenos.”





********************************
Curso Mediunidade Sem Preconceitos
Edvaldo Kulcheski

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Comportamento Mediúnico


A conduta mediúnica é a marca que podes mostrar aos que te cercam, indicando como realmente és na tua vida espiritual. Nessa ordem de coisas é que deves pensar e construir em teus passos os bons modos, tirando de todas as experiências louváveis o melhor para a tua vida. Saúde quer dizer equilíbrio,
é sinônimo de harmonia, que serve para que estimules a paz onde haja tribulação.

A tua mente deve ter o talho da mais alta função de comportamento, pois serás julgado por todos os que te cercam na vida, pelo que fazes da própria vida. O medianeiro sincero, assíduo no auto-aprimoramento, ouve permanentemente a consciência educada em Jesus. Para tanto, deves fugir
das contendas.

O conflito te predispõe para o encontro com as trevas e abre caminhos para que firas o teu companheiro que, às vezes, precisa do teu exemplo de tolerância e de complacência para se encontrar.
Com alguns minutos de boa conduta, podes ganhar um companheiro que há muitos anos vem se esforçando para vencer a si mesmo.


Foge das arengas das esquinas e da hostilidade das casas que são próprias desse tipo de vida, pois tais ambientes negativos interrompem a tua função de transmissor da verdade e de cura aos teus irmãos que sofrem e choram. Compadece-te de ti mesmo, que o benefício será de todas as criaturas. Ninguém vive sozinho. Precisamos de todos, como todos esperam de nós o que temos para dar.

Acrescenta ao teu dia-a-dia a auto-educação, para que surja o aprimoramento e, dele, a harmonia na tua função mediúnica. Confia em Deus, mas faze com que os outros confiem em ti.

Todos os espíritas conhecem e reconhecem o que é um bom comportamento. Se não te esforçares para melhorar, é porque te encontras tomado pela discórdia, dando vazão ao desentendimento por onde passas. A bondade de Deus é tão grandiosa que nós todos, encarnados e desencarnados, em todos os reinos da Terra, recebemos, pelo fluido universal, os pensamentos do Todo Poderoso, com todas as suas leis em estado de germinação para, dentro de nós, informar-nos sobre os caminhos a seguir.

Cada um recebe de acordo com a sua capacidade e os Espíritos dotados da razão aproveitam o que sabem, o que o tempo lhes conferiu e plasmam nas sensibilidades hídricas aquilo que acham que devem ser.

Planta pelas mãos dos sentimentos as tuas sementes para colheres na realidade o que plantaste. No entanto, somente as ideias de Deus são eternas.

As co-criações dos homens são transferíveis e transmutáveis e, nesse fazer e desmanchar, no correr dos milênios, aprendemos o certo e sentimos a glória de Deus em nossos corações, no surgir de uma luz dentro de nós, de onde nasce o Cristo, para ser o nosso motivo de grandes alegrias.

O raciocínio, no amanhã, será mais ajudado pela intuição. Aquele que apenas compreende pela razão, ainda se encontra em escala inferior. Quando mais evoluídos, compreenderemos sem pensar, conversaremos sem necessidade de articular sons e amaremos sem precisarmos dizer que estamos
amando. O médium das linhas do Bem deve bater nessa porta e entrar com humildade, buscando as primeiras letras do alfabeto divino. E quando entra, encontra o Evangelho disposto em todas as dimensões, para que ele possa compreender na dimensão em que se encontra. É um mundo novo que se abre, é uma esperança que convida o aprendiz para a luz do entendimento. A princípio nos parece difícil, como difíceis se apresentam todas as mudanças para o Bem.

Jesus nos mostrou, pela experiência, vivendo o drama do Calvário, que a mediunidade com Ele necessita das marcas da cruz em todos os nossos destinos, problemas inúmeros e dores sem conta, espinhos na carne e contradições nos caminhos, para que possamos selecionar as nossas próprias
diretrizes.

O Mestre, antes de dar o último testemunho, reuniu os discípulos, preparando-os no bom comportamento, para que o Evangelho fosse pregado em espírito e verdade, na palavra e no exemplo.

A ninguém estamos impondo boas maneiras . Apenas informando o que pode suceder com o médium imprevidente, com aqueles que usam as faculdades mediúnicas sem o devido discernimento.

Os nossos escritos são simples, mas são frutos de muito tempo de pesquisa, o que podes constatar na própria vida que levas. Se tens alguns dons desenvolvidos ou a desenvolver, não te iludas com as fáceis orientações acerca dessa atividade espiritual. Cuidado com os guias cegos!

O exercício mediúnico deve ser gratuito e, mesmo assim, deves saber o que estás fazendo para fazê-lo certo. Não sejas influenciado por falsas desculpas de que o médium pode viver da mediunidade. Ele deve viver do "suor do seu rosto', como é simbolizado o trabalho no livro sagrado. Ele não é diferente dos outros homens. Estamos trabalhando para o nosso próprio bem.

Quem vende os talentos que Deus lhe deu, sofrerá a falta deles no caminho para a espiritualidade. Milhares desses judas modernos têm chegado aqui com as mãos limpas, os olhos encharcados de lágrimas e um tribunal nas consciências, marcando-lhes as sentenças de volta à carne com os instrumentos de redenção atrofiados, por haverem feito mau uso deles. É o choro e o ranger de dentes muito falado no Velho Testamento. É nesse sentido que chamamos os novos discípulos do Cristo, que estão sendo chamados e escolhidos pela misericórdia do Senhor, para um bom comportamento, porque
quem não vigia e não ora, não sabe o que há de ser do seu destino.

A mediunidade pode ser uma bênção em teu caminho, se usada com critério e discernimento. Acima de tudo, nós te aconselhamos que, em todos os momentos em que fores exercitar a mediunidade em favor de alguém, convides o Cristo para assisti-la e testemunhar as tuas intenções para com ela. E, nesse
balanceado das tuas emoções, o Mestre poderá indicar-te o caminho melhor.
*************************
SEGURANÇA MEDIÚNICA
Miramez

O Passe Individual



As modalidades de passes são diversas, como diversas são as ondulações de fluidos transmitidas pelos médiuns aos diversos enfermos. O médium adestrado no exercício do amor e disciplinado pela Doutrina Espírita, recebe a intuição adequada para o tratamento do doente que requer a sua presença,
sem nunca se esquecer de que o que se recebe de graça, de graça deverá ser doado.

As escolas de médiuns existentes em toda parte, proliferando em muitos países são, pois, bênçãos de Deus para os iniciantes e mesmo para a doutrina a que pertence o aprendiz. Porém, quando pronto para o trabalho de doação, liberta-te da mecanização que pode escravizar os teus dons, e entrega-te à
intuição divina com a divina força do amor e percebe a harmonia da natureza, disseminando vida em todos os rumos e paz em todas as dimensões.

Cada pessoa é um mundo diferente com necessidades diversas. A nossa mente, trabalhando aberta, como mãos que pedem aos céus direção, possibilita-nos atender a todos na sua faixa de vida, oferecendo ambiente para os benfeitores espirituais operarem com proveito entre o médium e o doente.


Os Espíritos doadores capazes de atrair fluidos e transformar energias de vários cambiantes, ao encontrarem uma mediunidade educada nos altos
preceitos evangélicos, traçam planos e executam trabalhos com grande facilidade, produzindo frutos visíveis na área da cura para aqueles que sofrem,
seja frente a frente ou a distâncias inacreditáveis. Prova disso se encontra no próprio Evangelho, onde Jesus curava com um simples "levanta-te e anda". Há médiuns que são capacitados para trabalhar somente com o seu fluido magnético, desde que não venham, por isso, a se encherem de vaidade. Eles podem buscar os fluidos no suprimento universal e transformá-los no amor, doando-os aos que padecem. Todavia, os olhos espirituais nunca se esquecem da presença de alguém para vigiar e manter à distância os perturbadores da ordem.

O passista deve ser confiante nos poderes de Deus e na assistência dos guias espirituais, acrescentando seus valores da forma como os requisitos da doutrina pedem e induzem ao procedimento. Nunca deves pensar que és o melhor, pelas curas que são feitas com a tua ajuda. São muitas as mãos que trabalham em tudo o que realizas. Cultiva a humildade no que pensas e falas.

As energias que te circundam são sensíveis aos teus sentimentos. O médium de cura começa a curar pela fala, que predispõe o enfermo à ação benéfica dos fluidos. Se os médicos descobrissem esta verdade, curariam muitas pessoas mesmo antes de administrarem os remédios. A palavra bem ordenada faz milagres.

O médium curador deve obedecer à lei natural em sua alimentação do dia-a-dia. Comer para viver e nunca viver somente para se alimentar. A seleção dos alimentos fica por conta da consciência que vibra no Bem.

O passe individual é uma doação direta de um para o outro e concreta na sua estrutura bioquímica. Quando estamos em plena harmonia com a vida universal, todas as nossas células vibram uníssonas na doação comum de vida para vida. Isso é Deus nos ensinando a amar! Isso é Cristo nos mostrando
como amar!

Quando fores chamado ao trabalho de cura, não te esqueças do preparo pela oração. A prece é feita de fios que nos ligam aos poderes maiores com segurança, e o que passa por eles, na forma de energia, é impulsionado pela fé. Isso mostra o quanto pode a confiança no Soberano Senhor e o quanto podemos realizar com Deus no coração.

A regra geral que requer o curador é o ambiente sereno, onde predomina o silêncio. É bom que te abstenhas de formulários humanos, de apetrechos difíceis e de palavras especiais. A melhor fórmula é o coração em ritmo com o coração de Deus e os apetrechos podem ser músicas elevadas, caso seja
possível, enquanto as palavras iniciais devem ser ditas como súplica ao Criador, para que entres em sintonia com a força divina que existe fora e dentro do teu coração. Nunca faças um passe sem que a alegria seja a flor do teu rosto. Analisa o enfermo, conversando com ele antes do tratamento, para que
possas sentir do que ele carece e doar o que a fome do companheiro exigir. 


Se souberes preparar o enfermo psicologicamente antes do tratamento, na verdade te dizemos que a cura poderá ser imediata, quando não um grande
alívio. A mente instintiva daquele que padece tem os mesmos poderes da de um santo, nas curas que opera. Só que a ele, o doente, falta   estímulo para gerar o que se gera espontaneamente no místico cheio de amor no coração. A natureza nos cede muitos meios de fazer o bem. Nós, os Espíritos encarnados e desencarnados, é que não compreendemos e nos desviamos, por ignorância, das correntes de luz que nos tocam, trazendo, em sua estrutura, a mensagem da saúde com o brilho da harmonia, a nos falar baixinho aos ouvidos: "Amai, que a felicidade é gerada pelo amor".

Estuda a fisiologia do corpo, pois se fizeres isso com interesse de aprender, Deus te inspirará quanto a fisiologia da alma. A própria alma te induzirá ao conhecimento de vários corpos que ela usa e a vida presente em tudo, dar-te-á a sabedoria para usar os teus dons na perfeita cura de todo o
agregado psicofísico.

Muitos pedem, em orações continuadas e repetidas, o desenvolvimento da terceira visão para o tratamento de enfermos. As inteligências superiores estão te ouvindo, mas tens, primeiramente, de saber fazer uso desse dom, que depois será despertado no centro da tua vida. É caridade de Deus não haver o despertar de certos dons em determinadas criaturas. O Senhor espera o poço ficar pronto para a água aparecer, ou o aprendiz se instruir e se educar para ver a aparição do Mestre.

Trabalha com o que tens, que Ele multiplicará, no campo das tuas intenções. Avança, que Deus sabe o que deve te pertencer. Não exijas do grande Soberano, pois nem sempre sabes que pedes.

Se tens o dom de curar e te dispões a trabalhar com Ele, não olvides a renúncia, vigia a sensualidade e disciplina todos os teus impulsos inferiores, para que a luz de Deus possa fluir sem interrupção pelos canais da tua mente, para os corações que sofrem nos caminhos do mundo.
Sê feliz, com a felicidade do Cristo.
***********************
SEGURANÇA MEDIÚNICA
Miramez

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Culto do Evangelho no Lar





Importância:


Com o estudo do Evangelho de Jesus aprende-se a compreender e a conviver na família humana.

Assim, conscientes de que são espíritos devedores perante as Leis Universais, procuram conduzir-se dentro de atitudes exemplares, amando e perdoando, suportando e compreendendo os revezes da vida.

Quando o Culto do Evangelho no Lar é praticado fielmente à data e ao horário semanal estabelecido, atraem-se para o convívio doméstico Espíritos Superiores, que orientam e amparam, estimulam e protegem a todos.

A presença de Espíritos iluminados no Lar afasta aqueles de índole inferior, que desejam a desunião e a discórdia. O ambiente torna-se posto avançado da Luz, onde almas dedicadas ao Bem estarão sempre presentes, querem encarnadas, querem desencarnadas.

As pessoas habituadas à oração, ao estudo e à vivência cristã, tornam-se mais sensíveis e passíveis às inspirações dos Espíritos Mentores.


Como fazer:


(coloque água p/ fluidificar durante o Evangelho)

1- Prece Inicial:

Silenciamos dentro de nós e buscamos em nossa mente a Figura de Jesus, equilibrando as-sim, nossa aura, sintonizando-nos com o Plano Maior e pedimos:

"Senhor, dá-nos Tua Inspiração na Leitura Evangélica de hoje, e sustenta-nos durante toda a reunião, através de Teus mensageiros, para que possamos assimilar os ensinamentos e colo-cá-los em prática nem nosso dia-a dia."

2-a - Leitura de uma mensagem

2b- Leitura do Evangelho

(Os comentários devem envolver o trecho lido, buscando-se alcançar a essência dos ensinamentos de Jesus, realçando-se a necessidade da sua aplicação na vida diária.)


3- Vibrações: (Fazer vibrações é emitir sentimentos e pensamentos de amor, paz e harmonia)

- Fraternidade e Paz a toda Humanidade
- Pela implantação do Evangelho em todos os lares
- Pelo equilíbrio e Paz de toda família
- Pela cura e sustentação dos nossos familiares e amigos que estejam doentes
- Pelos presentes no Evangelho
- Pelo nosso lar onde está sendo feito o Evangelho (imaginar luz nas paredes, teto, piso, por-tas, roupas, alimentos, etc)

Pedimos:

" Mestre, abençoa o nosso lar, a nossa família. Faze com que haja paz, equilíbrio e harmonia em nossa casa, para que ela seja um lugar de refazimento físico e espiritual.
Jesus, cada um de nós tem um pedido em particular para Te fazer e, neste momento, silenci-amos, para que cada um de nós abra o coração a Ti, a fim de receber Tua orientação Amiga e Tua Luz." (silenciar)


4- Prece de encerramento:

" Jesus Amado!
Companheiros e amigos do Plano Maior!
Nós agradecemos a visita de Amor e a sustentação que nos foi dada, durante este Evange-lho, e pedimos que possamos estar todos juntos na próxima semana, para mais uma Reunião Evangélica neste Lar. Que assim seja!!




O CULTO DO EVANGELHO
*
1 - O ambiente em minha casa está uma “barra”! Todo mundo brigando! Tem Espírito ruim na jogada?
Provavelmente, mas não confunda efeito com causa. O ambiente não pesa pela presença de Espíritos perturbadores. Eles se apresentam porque o ambiente está pesado.
*
2 - Nós os atraímos?
É como na velha pergunta: “Por que o cachorro entra na igreja?”. As portas de nossa casa ficam escancaradas às influências espirituais inferiores quando se ausentam o entendimento, o respeito, a compreensão.
*
3 - E como ‘fechar a porta” a essas influências?
Melhorando o ambiente. Experimente instituir o Culto do Evangelho.
*
4 -Minha mãe sempre fala a respeito, mas meu pai e irmãos não se interessam.
Comece você e ela. Marque horário. Faça reuniões semanais. Aos poucos os outros serão atraídos.
*
5 - No que consiste o culto?
Algo muito simples. Uma oração, a leitura de «O Evangelho Segundo o Espiritismo” ou outro livro doutrinário de estudos evangélicos, a troca de idéias, alguns momentos de vibração em beneficio de pessoas acamadas ou com problemas, a prece de encerramento. Ponha uma jarra d’água para fluidificar.
*
6 -Qual o objetivo do culto?
Trocar idéias em torno das lições de Jesus, trazê-lo para o cotidiano, como um mestre a nos orientar nas atividades diárias. Ao mesmo tempo, nesses momentos estaremos recebendo a visita de amigos espirituais que higienização psiquicamente nosso lar, afastando influências nocivas e inspirando-nos em favor do entendimento e da harmonia.
*
7 - E quanto aos demais membros da casa?
Também serão beneficiados pela limpeza do ambiente e pela mudança de atitude sua e de sua mãe, à luz do Evangelho.
*
8 - Nosso relacionamento vai melhorar?
Experimente. Ficará surpreso com os resultados. Quando damos atenção aos ensinamentos de Jesus a Vida se ilumina. É como acender uma luz em plena escuridão.
*******************************************
RICHARD SIMONETTI




Dedica uma das sete noites da semana ao culto evangélico no lar, a fim de que Jesus possa pernoitar em tua casa.

Prepara a mesa, coloca água pura, abre o evangelho, distende a mensagem da fé, enlaça a família e ora. Jesus virá em visita.

Quando o lar se converte em santuário, o crime se recolhe ao museu. Quando a família ora, Jesus se demora em casa. Quando as orações se unem nos liames da fé, o equilíbrio oferta bênçãos de consolo e a saúde derrama vinha de paz para todos.

Jesus no lar é vida para o lar.

Não aguardes que o mundo te leve a certeza do bem invariável. Distende, da tua casa cristã, a luz do evangelho para o mundo atormentado.

Quando uma família ora em casa, reunida nas blandícias do evangelho, toda a rua recebe o benefício da comunhão com o Alto.

Se alguém, num edifício de apartamentos, alça aos Céus a prece da comunhão em família, todo o edifício se beneficia, qual lâmpada ignorada, acesa na ventania.

Não te afastes da linha direcional do evangelho entre os teus familiares. Continua orando fiel, estudando com teus filhos e com aqueles a quem amas as diretrizes do Mestre e, quando possível, debate os problemas que te afligem à luz clara da mensagem da Boa Nova e examina as dificuldades que te perturbam ante a inspiração consoladora do Cristo. Não demandes a rua, nessa noite, senão para os inevitáveis deveres que não possas adiar. Demora-te no Lar para que o divino Hóspede aí também se possa demorar.

E quando as luzes se apagarem à hora do repouso, ora mais uma vez, comungando com Ele, como Ele procurar fazer, a fim de que, ligado a ti, possas, em casa, uma vez por semana em sete noites, Ter Jesus contigo.
**************************
Joanna de Ângelis





Culto Individual do Evangelho

Nem sempre encontrarás a colaboração precisa ao culto do Evangelho no templo familiar. Por vezes, será necessário esperar o amadurecimento dos companheiros, que se mostram semelhantes à folhagem viçosa nas robustas fraudes da vida, incapazes de perceber a glória da frutificação no futuro. Ainda assim, procura a intimidade do Mestre e, sozinho embora, sintoniza-te com ELE, através da leitura divina. Realmente, por agora, és parte integrante do grupo consangüíneo, mas, no fundo, és o irmão da Humanidade inteira, com obrigações de seguir para a frente.Todos somos peregrinas da eternidade, em trânsito para a Vida Superior. Cada situação no círculo das formas, em que experimentamos e somos experimentados, é simples posição provisória. Lembra-te de que o dia será a inevitável arena do testemunho e, ao longo das horas, encontrarás mil alvitres diferentes. É a cólera pretendendo insinuar-se através do teu campo emotivo. É a dor que tentará subtrair-te o ânimo. E a ventania das provas, buscando apagar-te a,fé vacilante e humilde. E o verbo desvairado que te visitará nas bocas alheias, concitando-te a esquecer as melhores conquistas espirituais.
É a revolta que projetará fel sobre a tua esperança.
E a insubmissão do próprio "eu" que te criará dificuldades inúmeras.
E a vaidade que te repetirá velhas fantasias, acerca de tua superioridade inexistente.
E o orgulho que te apartará da fraternidade legítima.
É a preguiça que te fará acreditar no poder da enfermidade sobre a saúde e do desalento improdutivo sobre a alegria edificante.
E a maldade que te inclinará a palavra ao julgamento leviano ou apressado, no intuito de arrojar-te às trevas.
Recorda semelhantes inimigos que nos desafiam constantemente, na luta sem quartel da evolução e do aperfeiçoamento, e, no Culto individual da Boa-Nova, grava em ti mesmo as observações do Mestre Divino, anotando-lhe os conselhos e avisos e tomando as armas da compreensão e do bem para lutar dignamente, cada dia, na abençoada conquista do futuro glorificado e sem fim.





Ao realizares o Culto Evangélico do lar não te excedas em tempo, a fim de serem evitados a monotonia e o desinteresse.
*
Não o imponhas aos que te não compartem as idéias ou preterem, por enquanto, outros rumos.
*
Tenta a argumentação honesta e branda, convinente e autêntica.
*
Insiste junto aos filhinhos para que comunguem contigo do pão do espírito, conforme de ti recebem o pão do corpo.
*
Faze, porém, a tua parte.
*
Se sentires a tentação do desânimo, a amargura ia decepção, recorda-te do otimismo dos primeiros cristãos e não desfaleças. Orando em conjunto, recomendavam os invigilantes, os perturbadores e inditosos ao Senhor, haurindo forças na comunhão fraterna para os testemunhos com que ensementaram na Humanidade as excelências da Boa Nova, que ora te al-cança o espírito sem as agruras da perseguição externa e das dolorosas injunções da impiedade humana.
*
Acende o sol do Evangelho em casa, reúne-te com os teus para orar e jamais triunfarão trevas em teu lar, em tua família, em teu coração.
*******************************************************************
Joanna de Ângelis

Sobre a desencarnação





P: – Os ensinamentos que a Doutrina Espírita nos apresenta nos preparam melhor para a desencarnação?

R: – O Espiritismo é o bê-a-bá da Vida Espiritual. Sabendo o que nos espera, será mais fácil enfrentar a grande transição. Imperioso reconhecer, porém, que o conhecimento espírita ajuda-nos no trânsito para o além, mas como chegaremos lá é uma questão eminentemente pessoal. Depende de como estamos vivendo, partindo do princípio evangélico de que aquele que mais recebe mais terá que dar.

*******************************************************

P:– As religiões, de um modo geral, apregoam a continuidade do ser espiritual que sobrevive à matéria. Apesar disso, as pessoas temem a morte. Por que isso acontece?

R: – É que a morte ainda é a grande desconhecida. As religiões tradicionais exaltam a sobrevivência, mas perdem-se em especulações teológicas, fantasiosas, quando cogitam de como seria a vida além-túmulo, recusando-se à iniciativa mais lógica, que seria a de conversar com os próprios mortos. É como se pretendêssemos imaginar como é a vida na França sem nenhum contato com os franceses. A ignorância sobre o assunto gera o temor. O Espiritismo ajuda-nos a vencer esse problema, porquanto começa exatamente onde as outras religiões terminam, devassando para nós o continente espiritual.

***********************************************

P:– A morte ou a desencarnação libera o Espírito. Para onde ele vai? Quem o aguarda?

R: – A morte promove o encontro com a nossa própria consciência, para uma avaliação da experiência humana. Esse tribunal incorruptível determinará se seguiremos para regiões purgatoriais, onde, segundo a expressão evangélica, “haverá choro e ranger de dentes”, ou se nos habilitaremos a estagiar em comunidades diligentes e felizes, plenamente integradas no serviço do bem.

***********************************************

P: – Como podemos ajudar o espírito que acaba de desencarnar, principalmente as vítimas de tragédias como acidentes automobilísticos, afogamentos, etc.?

R: – A morte não dói, mas impõe ao espírito certos constrangimentos e até aflições, o que é perfeitamente compreensível. Afinal, trata-se do desligamento de um corpo material ao qual esteve vinculado por largos anos, colhendo por seu intermédio, experiências sensoriais que se entranharam em sua intimidade, e das quais não é fácil desvencilhar-se. Tais problemas são diretamente proporcionais à natureza da morte: quanto mais abrupta, mais intensos. E inversamente proporcionais à condição do Espírito que desencarna: quanto mais evoluído, menos intensos. Tudo o que podemos fazer em seu beneficio é orar muito, conservando a serenidade e o equilíbrio, confiando em Deus, porquanto o desencarnante é muito sensível às vibrações dos familiares. Sentimentos de revolta, desespero e inconformidade repercutem em seu psiquismo, dificultando o desligamento e atormentando-o na vida espiritual.

********************************************
P: – Nossos familiares desencarnados poderão continuar a nos ajudar, mesmo no mundo espiritual?

R: – Nossos amados não estão isolados em compartimentos estanques, no Além. Eles nos procuram, nos estimulam, nos amparam. Torcem por nós, esperando que sejamos fortes e fiéis ao bem, no desdobramento de nossas provações, a fim de que o reencontro mais tarde – tão certo quanto a própria morte – seja em bases de vitória sobre as provações humanas, ensejando abençoado porvir.

********************************************

P: – De que forma devemos lembrar nossos entes queridos que desencarnaram? Visitando suas sepulturas nos cemitérios?

R: – Cemitério não é sala de visita do Além. Ali há apenas a veste carnal, decomposta, de alguém que transferiu residência para a espiritualidade. Ele preferirá ser lembrado na intimidade do lar, com preces e flores abençoadas de saudade, sem espinhos de inconformidade, como o fazem as pessoas conscientes de que a morte não desfaz as ligações afetivas, nem situa nossos amados em compartimentos estanques. Eles continuam vivos, amando-nos mais do que nunca. Visitam-nos e nos ajudam, torcendo por nós, aguardando, com a mesma ansiedade nossa, o reencontro feliz na espiritualidade.

***************************

P: – A criatura geralmente tem pavor da morte ou desencarnação, evitando comentar o assunto. Isso é um erro?

R: – Trata-se de uma atitude irracional, já que a morte é a única certeza da vida. Todos morremos um dia. O medo da morte, basicamente, é o medo do desconhecido. Por isso o Espiritismo elimina nossos temores “matando” a morte, na medida em que demonstra que ela é apenas um retorno à vida espiritual, nossa pátria verdadeira.

**********************************

P: – Por que acontecem desencarnações de crianças, que estão apenas iniciando a jornada terrena?

R: – É um problema cármico envolvendo o desencarnante e a família. A existência curta frustra as expectativas do Espírito, impondo-lhe uma valorização da jornada humana, não raro malbaratada no passado pelo suicídio. Os pais, por sua vez, podem estar comprometidos com seus desatinos, por tê-los estimulado ou favorecido. Não raro estão pagando pelo descaso e a irresponsabilidade em anteriores experiências com a paternidade. Pode ocorrer, também, que se trata de breve encarnação sacrificial, em que um Espírito superior convive por alguns anos com afetos queridos na intimidade familiar, fazendo do sofrimento decorrente da separação pela morte um vigoroso impulso no sentido de que os pais superem as ilusões da Terra e cultivem os valores do Céu.

*******************************************

P: – Por que certos moribundos experimentam melhoras em seus quadros clínicos, a ponto de tranqüilizar os familiares, e instantes depois desencarnam?

R: – Quando a família não aceita a desencarnação, mergulhando no desespero, suas vibrações desajustadas promovem uma sustentação artificial do moribundo, que não evita a morte, mas prolonga a agonia. Os benfeitores espirituais promovem, então, com recursos magnéticos, uma melhora artificial. O paciente parece entrar num quadro de recuperação. Os familiares, mais tranqüilos, afastam-se, julgando que o pior passou. Afrouxa-se a sustentação fluídica retentora e inicia-se o irreversível processo desencarnatório. A sabedoria popular proclama: - “Foi a melhora da morte”. Na verdade, trata-se apenas de um recurso da espiritualidade para afastar familiares que atrapalham a desencarnação.

***************************************

P: - A certeza da continuidade da vida após a morte e as noções sobre a reencarnação ajudariam as pessoas a vencerem o sentimento de desesperança?

R: – Sem dúvida. Tais realidades descortinadas pela Doutrina Espírita, muito mais do que simples esperanças, nos oferecem segurança diante da vida e alegria de viver.
************************
Richard Simonetti



Ausência de Notícias

“Entre as causas que podem se opor à manifestação do um espírito, algumas lhe são pessoais outras lhe são estranhas. É preciso colocar entre as primeiras, suas ocupações ou as missões que cumprem, e das quais não pode desviar-se para ceder aos nossos desejos; nesta caso sua visita não é senão adiada.” (Cap. XXV – Segunda parte – Item- 275 - Livro dos Médiuns)

Embora permaneçam vinculados à Terra, nem todos os espíritos encontram-se em condições de comunicar-se mediunicamente com os que se demoram na luta física. Nem médiuns em número suficiente teríamos para tal cometimento, se os espíritos pudessem se manifestar como desejariam.

Quando desencarnam, os espíritos prosseguem em suas atividades no Mundo Espiritual: Alguns ascendem a regiões superiores da vida, em obediência aos impositivos da própria evolução, e outros precipitam-se nas regiões infelizes de onde não conseguem ausentar-se com facilidade.

Algemados a preconceitos de caráter religioso, dos quais não se libertam mesmo depois da morte, alguns espíritos recusam-se a “voltar” e manter contato com os que procuram saber como estão; outros reencontrando antigas afinidades, como que se “esquecem” dos laços consanguíneos a que se prenderam por determinado tempo...

Alguns desencarnados tentaram o difícil intercâmbio com os parentes e amigos, desistindo por não encontrar receptividade necessária ou contar com o interesse deles; outros, de acordo com as provações em que estejam envolvidos, como que se condenam ao silêncio, talvez justamente por ter ridicularizado semelhante oportunidade...

Enfim, são múltiplas as razões para a ausência de notícias da parte dos espíritos.

Alguns, se manifestam, certamente haveriam de complicar a situação dos que pelejam no mundo, culpando-os pelas dificuldades que faceiam deste outro lado da vida; outros abordariam assuntos “censurados” pelos benfeitores espirituais, de vez que não lhes assiste o direito de se utilizar de um médium para intranquilizar os homens...

Alguns simplesmente não se expressam porque, dentro de um período relativamente curto, são reconduzidos á reencarnação e outros, em se vendo fora do corpo, se revelam indiferentes aos companheiros da retaguarda material...

Juntando-se às razões anotadas aqui, carecemos de levar em consideração o problema do médium que não se encontra apto para estabelecer sintonia com todo ou qualquer espírito que dele se aproxima. Existe ainda a questão fundamenta da simpatia entre o médium, o espírito, e os familiares interessados na mensagem. Não raro, o espírito se envergonha de expor ao público, e o médium, por sua vez, teme não corresponder ás expectativas das pessoas que, normalmente são muito exigentes, não considerando as limitações naturais de um intercâmbio dessa natureza.

Grande parte dos comunicados de Além-túmulo acontece com a intermediação dos espíritos-médiuns, ou seja, dos espíritos que, em nome dos evocados e com a devida permissão dos benfeitores, transmitem os seus recados aos corações amados, saudosos de suas notícias. Allan Kardec, em O livro dos médiuns, faz uma consideração de suma importância: “...

Uma primeira conversa não é tão satisfatória que se poderia desejar, e é por isso também que os próprios espíritos, frequentemente, pedem para se chamados de novo. Pode acontecer, portanto, que numa primeira comunicação o espírito deixe a desejar; somente como o tempo, criando uma maior sintonia com o médium, ele irá se soltando mais, conseguindo se expressar com o desembaraço necessário.

Depois de certa insistência, através de um médium, na obtenção de notícias desse ou daquele familiar desencarnado, se a comunicação desejada não se concretiza, convém que as pessoas desistam ou, então, efetuem tentativas por um outro médium que ofereçam aos espíritos condições ideais. O que não é possível através de um médium, pode ser através de outro. Isto é perfeitamente compreensível.

Somos da opinião, que de um modo geral, as pessoas deveriam evitar obter mensagens de um mesmo espírito, através de médiuns diferentes. Temos visto muita gente perder a fé por isso.

Julgando os referidos comunicados contraditórios, porque não possuem o indispensável conhecimento doutrinário para discerni-los, acabam cavando o abismo da própria descrença.
******************************
MEDIUNIDADE E EVANGELHO
Odilon Fernandes
Carlos A. Bacelli

O TELEFONE MEDIÚNICO



Uns não acreditam nas comunicações dos espíritos, outros acreditam demais e querem obtê-las com a facilidade de uma ligação telefônica. Nem tanto ao céu, nem tanto à terra! Se as comunicações entre as criaturas terrenas nem sempre são fáceis, que dizer das que se processam entre os espíritos e os homens? Muita gente procura o médium como se ele fosse uma espécie de cabina telefônica. Mas nem sempre o circuito está livre e muitas vezes o espírito chamado não pode atender.

Não há dúvida que estamos na época profetizada por Joel, em que as manifestações se intensificam por toda parte. Nem todos os espíritos, porém, estão em condições de comunicar-se com facilidade. Além desazo, a manifestação solicitada pode ser inconveniente no momento, tanto para o espírito quanto para o encarnado.

A morte é um fenômeno psicobiológico que ocorre de várias maneiras de acordo com as condições ídeo-emotivas de cada caso, envolvendo o que parte e os que ficam. A questão 155 de O Livro dos Espíritos explica de maneira clara a complexidade do processo de desencarnação. Alguns espíritos se libertam rapidamente do corpo, outros demoram a fazê-lo e isso retarda a sua possibilidade de comunicar-se.

Devemos lembrar ainda que os espíritos são criaturas livres e conscientes. Não estão ao sabor dos nossos caprichos e nenhum médium ou diretor de sessões tem o poder de fazê-los atender aos nossos chamados. Quando querem manifestar-se, eles o fazem espontaneamente, e não raro de maneira inesperada. Enganam-se os que pensam que podem dominá-los. Já ensinava Jesus, como vemos nos Evangelhos: o espírito sopra onde quer e ninguém sabe de onde vem nem para onde vai.

É natural que os familiares aflitos procurem obter a comunicação de um ente querido. Mas convém que se lembrem da necessidade de respeitar as leis que regem as condições do espírito na vida e na morte. O intercâmbio mediúnico é um ato de amor que só deve realizar-se quando conveniente para os dois lados. O Espiritismo nos ensina a respeitar a morte como respeitamos a vida, confiando nos desígnios de Deus. Só a Misericórdia Divina pode regular o diálogo entre os vivos da Terra e os vivos do Além. Façamos nossas preces em favor dos que partiram e esperemos em Deus a graça do reencontro que só Ele nos pode conceder.

Muitos religiosos condenam as comunicações mediúnicas, alegando que elas violam o mistério da morte e perturbam o repouso dos mortos. Esquecem-se de que os próprios espíritos de pessoas falecidas procuram comunicar-se com os vivos. Foi dessa procura de comunicação dos mortos, tão insistente no mundo inteiro, que se iniciaram de maneira natural as relações mediúnicas entre o mundo visível e o invisível. O conceito errôneo da morte, como aniquilamento ou transformação total da criatura humana, gera e sustenta essas formas de superstição. O Espiritismo, revivendo os fundamentos esquecidos do Cristianismo puro, mostra-nos que a comunicação mediúnica é lei da vida a nos libertar de erros e temores supersticiosos do passado.
********************
Irmão Saulo
Do livro Diálogo dos Vivos. Espíritos Diversos.
Psicografia de Francisco Cândido Xavier e J. Herculano Pires. 







  ANTE O MAIS ALÉM 

Anseias pela manifestação dos entes amados que te antecederam na grande viagem da desencarnação.

Pondera, entretanto, relativamente à presença deles no plano físico, onde te encontras ainda, e remonta os cuidados que te recebiam nos instantes de luta e sofrimento: medicação para a enfermidade e entendimento nas horas de crise.

Aqueles que se afiguram mortos estão vivos. E todos os teus pensamentos, com respeito a eles, alcançam-lhes o espírito com endereço exato.

*

Imagina uma pessoa em desequilíbrio emocional que gritasse em lágrimas ao telefone, rogando consolo e coragem ao ente amado na outra ponta do fio, hospitalizado para tratamento de reajuste, a exigir bastas vezes socorro mais intensivo.

Decerto que os responsáveis pelo doente, de um lado, e pelo outro, o enfermo, à distância, tudo fariam para adiar o encontro solicitado, considerando que aflição mais aflição somariam apenas desespero maior.

*

Diante dos seres queridos domiciliados no Mais Além, reflete, acima de tudo, na infinita bondade de Deus, que nos empresta as afeições uns dos outros por tempo determinado, a fim de aprendermos, através de comunhões e separações temporárias, a entesourar o amor indestrutível que nos reunirá, um dia, na felicidade sem adeus.

E enquanto perdure a distância, do ponto de vista físico, cultiva a saudade nas leiras do serviço ao próximo, qual se estivesse amparando e auxiliando a eles mesmos, tanto quanto efetuando em lugar deles tudo quanto desejariam fazer. Assim construirás, gradativamente, a ponte de intercâmbio pela qual virão ter espontaneamente contigo, de modo a compreenderes que berço e túmulo, existência e morte, são caminhos da evolução para a vida imortal.
****************
Emmanuel 
Chico Xavier


sábado, 18 de agosto de 2012

Espiritismo: o que é e o que não é






Partindo do princípio que o objetivo de todo jornalista ético e sensato é o de informar bem, com coerência, honestidade, dignidade e imparcialidade, preocupando-se sempre com o indispensável conhecimento da causa que leva a reportar, venho apresentar-lhes uma contribuição em cima de um assunto que muitos profissionais do jornalismo, embora bem intencionados, terminam cometendo equívocos lamentáveis, por uma inexplicável ignorância que compromete os seus nomes bem como o dos veículos por onde vinculam as suas matérias ou reportagens.


Falo com respeito ao assunto Espiritismo, tema este que invariavelmente é visto apenas no campo religioso, o que na verdade não é, e sobretudo, o que é mais lamentável, sempre enfocado com afirmativas de conceitos absurdos, oriundos do 'achismo' e também de uma cultura criada na cabeça das pessoas, pela intolerância e a desonestidade religiosa.

Não objetivo aqui defender crença ou fé nenhuma, porque não é isto que está em questão. Só quero mesmo prestar contribuição ao gigantesco segmento honesto do jornalismo acerca de uma coisa, como ela realmente é, para que ele esteja melhor informado, sem a menor pretensão de querer fazer com que nenhum profissional o aceite, concorde com os seus postulados e, muito menos, se converta. Vamos aos assuntos:

Espiritismo não é igreja

Em princípio corrijam a conceituação inicial: Espiritismo não é simplesmente religião. Ele não veio ao mundo com objetivo nenhum de ser religião. Trata-se de uma doutrina filosófica, com base calcada na racionalidade, na lógica e na razão, apenas com conseqüências religiosas, haja vista que os seus adeptos ficam livres da submissão a qualquer religião, por não serem obrigados a coisa nenhuma e nem serem proibidos de nada. Há centros espíritas que se portam como se fossem igrejas, mas isto é produto da concepção equivocada dos seus dirigentes, que ainda sentem a necessidade da rezação, em que pese o Espiritismo ser algo muito acima disto..


Não existe 'Kardecismo', existe 'Espiritismo'


O jornalista equivocado costuma utilizar-se da expressão 'kardecismo', para identificar algo que ele imagina ser uma 'ramificação' do Espiritismo, achando que Espiritismo é um 'montão de coisas' que existe por aí, quando na realidade não é.

A palavra 'Espiritismo' foi criada, ou inventada, como queiram, pelo senhor Allan Kardec, exclusivamente, para denominar a doutrina nova que foi trazida ao mundo, por iniciativa de Espíritos, e que tem os seus postulados próprios.

Portanto, qualquer crença ou prática religiosa que utiliza-se da denominação 'Espiritismo', fora desta que se enquadre nos seus postulados, está utilizando-se indevidamente de uma denominação, mergulhando no campo da fraude. Daí a verdade que o nome disto que vocês chamam de 'kardecismo', verdadeiramente é 'Espiritismo'.

Apenas para clarear o campo de conhecimento dos que ainda têm dúvidas, em achar que Candomblé, Cartomancia, Necromancia, Umbanda e outras práticas espiritualistas é Espiritismo, vai aqui uma pequena tabela, exemplificando algumas práticas de alguns segmentos, para apreciação daqueles que consideram relevante o uso da inteligência e do bom senso, a fim de um discernimento mais coerente e responsável.

Veja quem adota e quem não adota o quê:

Procedimentos, Práticas e Rituais
 Umbanda 
 Catolicismo 
 Espiritismo 
Altares
Sim
Sim
Não
Imagens
Sim
Sim
Não
Velas
Sim
Sim
Não
Incensos e Defumações
Sim
Sim
Não
Paramentos e Vestes Especiais
Sim
Sim
Não
Obrigações aos participantes
Sim
Sim
Não
Proibições aos participantes
Sim
Sim
Não
Ajoelhar, Sentar e Levantar-se em Cultos
Sim
Sim
Não
Bebidas Alcoólicas em Cultos
Sim
Sim
Não
Sacerdócio Organizado
Sim
Sim
Não
Sacramentos
Sim
Sim
Não
Casamentos e Batizados
Sim
Sim
Não
Amuletos, Pátuas, Escapulários, Rosários
Sim
Sim
Não
Hinos, Cânticos e Pontos Cantados
Sim
Sim
Não
Crença em Satanás
Sim
Sim
Não

Como pode, então, um profissional que tem a obrigação de estar bem informado, poder afirmar que Espiritismo e Umbanda são a mesma coisa? Não seria mais coerente dizer que tem mais semelhanças com o Catolicismo, embora não seja também a mesma coisa?
O espírita não tem a menor pretensão de diminuir ou desvalorizar o adepto da Umbanda que, por sua vez, tem também a sua denominação própria que é Umbanda, e não Espiritismo, apenas quer deixar claro que Espiritismo é Espiritismo e Umbanda é Umbanda, assim como Catolicismo é Catolicismo, Protestantismo é Protestantismo.
A afirmativa que alguns fazem, em dizer que tudo é a mesma coisa, com a diferença de que na Umbanda se reúnem negros e pobres e no tal 'Kardecismo' se reúnem o que chamam de elites, é extremamente leviana, desonesta e irresponsável. O Espiritismo não faz qualquer discriminação de raças, cor ou padrão social, já que em seu movimento existem inúmeros negros, mulatos, brancos e de todas as etnias.


Allan Kardec não inventou o Espiritismo

Allan Kardec não inventou ou criou Espiritismo nenhum. A proposta veio de Espíritos, através de manifestações espontâneas, consideradas como fenômenos, na época, e ele, que nada tinha a ver com aquilo, foi convidado por alguns amigos para examinar e analisar os tais fenômenos, em suas casas, oportunidade em que foi convidado, pelos Espíritos, pela sua condição de pedagogo e educador criterioso, a organizar aqueles ensinamentos em livros e disponibilizar para a humanidade.

Ele foi tão honesto e consciente de que a obra não era de sua autoria, que evitou colocar o seu nome famoso na Europa antiga (Denizard Rivail) como autor dos livros e preferiu utilizar-se de um pseudônimo. É bom que se saiba que o tal professor Rivail era autor famoso de livros didáticos e que tudo o que aparecia com seu nome vendia muito, não apenas na França como em toda a Europa.

Atentem para o detalhe: Os Espíritos optaram por um pedagogo, um professor, e não por um padre, um religioso, o que nos convida a entender que o Espiritismo é escola e não igreja.

Sobre a reencarnação

Não é patrimônio exclusivo do Espiritismo e não foi inventada pelo Espiritismo, posto que é algo conhecido pela maior parte da humanidade, por milênios, muito antes do Espiritismo, que tem apenas 151 anos de idade.

O espírita, depois de estudar a reencarnação, não crê na reencarnação, ele passa a SABER a reencarnação, o que é diferente. Exemplificando: Você crê que a Lua existe ou você sabe que ela existe? Afinal, você pode vê-la e comprovar, inclusive cientificamente? É isto aí.

Portanto a afirmativa de que os espíritas crêem na reencarnação é infantil e sem sentido.


Sobre a mediunidade


Também não é patrimônio exclusivo e nem foi inventada pelo Espiritismo. É uma faculdade humana normal e independe de crença religiosa, já que a pessoa pode possuí-la, com maior ou menor intensidade, acredite ou não. O Espiritismo apenas se dispõe a estudá-la, educar e disciplinar as pessoas que a possuem, para que o seu uso possa ser benéfico a elas e aos outros, absolutamente dentro dos elementares padrões de moralidade. Segundo os postulados espíritas ela não deve ser comercializada, nunca, e deve ser utilizada gratuitamente; todavia é praticada comercialmente em alguns lugares do mundo, por pessoas que são médiuns, inclusive honestas, mas nada sabem sobre Espiritismo, numa comprovação de que ela existe fora do meio espírita.

Qualquer afirmativa do tipo que 'alguém tem mediunidade e precisa desenvolver' é vinda de pessoas inconseqüentes, mesmo algumas que se auto rotulam espíritas, posto que o Espiritismo propõe que a faculdade deve ser educada e não desenvolvida..


Sobre o caráter do centro espírita

É um local que deve atuar como escola e não como igreja. A sua proposta é de estudos, sobretudo da matéria que trata da reforma íntima das pessoas, dando ciência do papel de cada um de nós na terra, da nossa razão de existir enquanto criaturas úteis ao nosso próximo, esclarecimento da nossa condição espiritual no presente e no futuro e, principalmente, a nossa conduta moral.

Recomenda a prática da Caridade, sim, mas de forma ampla no sentido de orientar e informar aos outros sobre os meios de libertações dos conflitos, das amarguras, das incompreensões e do sofrimento em si e não esse entendimento estreito de que Caridade se resume apenas a dar prato de sopa ou roupas usadas para pobres, para qualificar o doador como bonzinho.

Adota Jesus, sim, inclusive como o maior modelo e guia que temos para seguir, concebendo o seu Evangelho como a bula coerente a nos conduzir, e não como sendo ele o próprio Deus. Enfim. O centro espírita é um local de estudo e não de rezação.


Sobre quem é reencarnação de quem

Recentemente vimos um jornalista afirmar, nas páginas da VEJA, que os espíritas juram que Fulano é reencarnação de Sicrano, o que se constitui em um absurdo. Em princípio espírita não adota jura nenhuma. Segundo, que não consta da atividade espírita a preocupação de quem é reencarnação de quem, uma vez que esta discussão é irrelevante, não tem razão nenhuma, não acrescenta absolutamente nada na proposta espírita para a criatura humana, em que pese alguns espíritas, apenas alguns, (nem todos entendem bem a proposta da doutrina) se ocuparem com esse tipo de discussão. Falar em quem é ou talvez possa ser reencarnação de quem, é conversa amena de momentos de descontração de espíritas, apenas em nível de curiosidade ou especulação, jamais tema de estudo sério da casa espírita. Ainda que possa existir, em alguns locais de estudos mais profundos e pesquisas espíritas, interesses em trabalhar as questões da reencarnação, os estudiosos apenas sugerem que fulano possa ser a reencarnação de alguém, mas nunca afirmam, apesar de evidências marcantes e inquestionáveis, quando a condução da pesquisa é séria e criteriosa. Quem anda dizendo que é a reencarnação de reis, de rainhas e de personagens poderosas do passado não são os espíritas, são apenas alguns bobos que estão no Espiritismo sem consciência do seu papel.

Apologia ao sofrimento

Matérias de revistas e jornais, dentro deste equívoco que nos referimos, chegaram a afirmar, diversas vezes, que o Espiritismo ensina as pessoas a serem acomodadas em relação ao sofrimento e até chegarem a dizer que o sofrimento é bom. Não condiz com o coerente ensinamento do Espiritismo. Se algum espírita chega a dizer isto, certamente é vítima do masoquismo e, provavelmente, deve praticar um ritual em sua casa, quando, talvez uma vez por semana, colocar a mão sobre uma mesa e dar uma martelada em seu dedo. Sofrimento não é condição fundamental para a evolução de ninguém, embora entendamos que, ao passar por ele, muitas pessoas terminam acordando para a realidade da vida e mudando de conduta, sobretudo no campo do orgulho, do egoísmo e da presunção.

Mesa branca

Não existe espiritismo mesa branca, alto espiritismo, baixo espiritismo ou qualquer ramificação do Espiritismo, que é um só. O hábito de forrar mesas com toalhas de cor branca, na maioria dos centros espíritas, nada mais é que um hábito de alguns espíritas, de certa forma até equivocados também, uns talvez achando que a cor branca da toalha ou das roupas das pessoas tem algum significado virtuoso, quando na verdade não existe esta orientação no Espiritismo. Muito pelo contrário, seria preferível utilizar toalhas (por que tem sempre que ter toalhas nas mesas?) de outras cores, posto que tecidos em cor branca têm maior facilidade de sujar. Portanto a citação de 'espiritismo mesa branca' é mais uma expressão da ignorância popular, o que não se admite nos jornalistas.

Terapia de vidas passadas

Não é procedimento espírita, em que pese ser recomendável em alguns casos, porém em consultórios de profissionais especializados, geralmente psicólogos ou médicos. É fato, existe, é comprovado, tem resultados cientificamente respaldados, mas não é prática espírita..

Cromoterapia, piramidologia etc...

Se alguém usa uma dessas práticas no espaço físico de uma casa espírita, é por pura deliberação da direção da casa, que se considera livre para fazer o que quiser, até mesmo dar aulas de arte culinária, corte e costura, curso de inglês, informática ou o que quiser, que são atividades úteis, sem dúvidas. Mas não tem a ver diretamente com o Espiritismo.

Sucessor de Chico Xavier

Isto nunca existiu no Espiritismo, em que pese vários jornalistas terem colocado em matérias diversas, quando o Chico Xavier 'morreu', e ainda repetem, talvez querendo estabelecer alguma comparação do Espiritismo (que vêem apenas como religião) com a Igreja Católica, que tem sucessores dos papas, quando morrem. Chico Xavier nunca foi uma espécie de papa, de cardeal ou de qualquer autoridade eclesiástica dentro do movimento espírita. Divaldo Pereira Franco nunca foi sucessor do Chico, nunca teve essa pretensão, ninguém no movimento espírita fala nisto, que é coisa apenas de páginas de revistas desinformadas sobre o que verdadeiramente é o Espiritismo.

A sua relação com a Ciência

Faz parte da formação espírita a seguinte recomendação: 'Se algum dia a Ciência comprovar que o Espiritismo está errado em algum ponto, cumpre aos espíritas abandonarem imediatamente o ponto equivocado e seguirem a orientação da Ciência'. Mas isto não quer dizer que o que afirma determinadas criaturas, como o padre Quevedo, que se apresenta presunçosamente como cientista, deva ser entendido como Ciência, já que ele não é unanimidade e nem ao menos aceito pela maioria dos cientistas coisa nenhuma. Ele é padre, nada mais do que padre, com um tipo de postura que não aceita nem pela maioria do seio católico, quanto mais pelo científico. Não é à pseudo-ciência ou a opiniões pessoais de um ou outro elemento, que se diz de Ciência, que o Espiritismo se submete, com esta recomendação, é a Ciência, como um todo, em descobertas inquestionáveis. Até agora a Ciência não conseguiu apontar e muito menos comprovar erro em um ensinamento espírita, sequer. Se alguém exige, por exemplo, querer provas por parte dos que afirmam que existe vida fora da Terra, por questão de bom senso deve ter também provas de que não existe. Será que tem?

Medicina e Espiritualidade

Alguns médicos, tradicionalmente, sempre afirmaram que os problemas de saúde das pessoas nada têm a ver com problemas espirituais, porque estes se resumem a crendices. Hoje existe um curso de 'Medicina e Espiritualidade', oficial, dentro da USP (Universidade de São Paulo), a maior Universidade do País, onde são estudados estes questionamentos que alguns continuam a dizer que são crendices. Em nível de informação, sugerimos que os jornalistas se interessem em reportar sobre este assunto, sem que vá aqui a menor intenção de querer converter ninguém. Não se trata de questão religiosa, trata-se de questão científica. Para melhor informação, as aulas deste curso podem ser vistas no site: www.redevisao.net. O telefone da Pineal Mind, onde são ministradas as aulas, é (11) 3209-5531 e o e-mail é faleconosco@uniespirito.com.br onde poderão ser obtidas maiores informações sobre o curso. Toda sexta-feira, às 19 horas, tem aula ao vivo, pelo site, numa webtv. Diante de todo o exposto sugerimos que os grandes veículos de comunicação de massa, obviamente comprometidos com a credibilidade dos seus nomes, repassem estes esclarecimentos aos seus profissionais de jornalismo, não necessariamente para que eles sejam simpáticos à idéia espírita, já que ninguém é obrigado a aceitar coisa nenhuma, mas para, pelo menos, não comprometerem as suas honorabilidades dizendo mentiras, leviandades e até se expondo ao ridículo reportando sobre um assunto que não entendem.

Alamar Régis Carvalho
Analista de Sistemas
alamar@redevisao.net

http://casadocaminhosc.org/index.php?option=com_content&view=article&id=335:espiritismooqe&catid=45:revistas-e-jornais&Itemid=63

********************************************************************************************************************  
O que é ou não é Doutrina Espírita ou Espiritismo


Existe uma confusão muito grande a respeito do que é ou não é Doutrina Espírita ou Espiritismo. Isto porque há pessoas que não sabem que as palavras "espírita" e "espiritismo" foram criadas em 1857, na França, pelo codificador da Doutrina Espírita, Allan Kardec. Somente deveriam utilizarem-se destes termos os locais religiosos ou pessoas que seguissem os postulados desta doutrina.

Assim, cultos e religiões que de alguma forma têm em suas práticas a comunicação de Espíritos e a crença na reencarnação são confundidas erroneamente com o Espiritismo.

Na verdade, embora mereçam todo o respeito dos espíritas verdadeiros, estas seitas são adeptas do espiritualismo ou esoterismo, e não do Espiritismo.

Todos aqueles que acreditam na existência do Espírito são espiritualistas. Mas nem todos os espiritualistas são espíritas, praticantes do Espiritismo.

Para que uma casa religiosa seja espírita, ela deve seguir os ensinamentos contidos nas Obras Básicas da Doutrina Espírita e no Evangelho de Jesus. Geralmente, os locais espíritas recebem o nome de: Centro, Grupo, Casa, Sociedade, Instituição ou Núcleo Espírita. Deve ser legalmente constituído, de acordo com as leis vigentes no país em que está instalado. Mesmo ostentando este nome, quem os visita necessita estar atento para quais as atividades e as formas como as mesmas são praticadas por seus dirigentes e auxiliares (veja o que um centro espírita faz).

Visando ajudar àqueles que não conhecem o Espiritismo, mostraremos abaixo o que se encontra e o que não deve ser encontrado em uma casa espírita verdadeira.

Palestras: todo centro espírita tem o seu momento de esclarecimento doutrinário. As exposições geralmente são sobre a Codificação espírita e o Evangelho de Jesus, em uma ligação direta com nosso cotidiano. Não há nenhum ritual antes dos trabalhos, a não ser uma prece evocando a proteção de Jesus e dos bons Espíritos (geralmente, a oração é feita em pensamento). Em algumas oportunidades, antes ou no final das palestras, alguns grupos fazem a apresentação de corais musicais, quase sempre formados por grupos de jovens. Porém, este tipo de procedimento não é aconselhável, sendo indicado que seja praticado em datas e horários diferentes dos trabalhos espirituais e de esclarecimento ao público, exatamente para se evitar confusões e mal-entendidos.

Explanações e orações ao som de músicas, batuques, atabaques: o Espiritismo não utiliza instrumentos musicais para exortar o público ou evocar Espíritos. Não há o uso de qualquer instrumento durante os trabalhos.

Trajes normais: os trabalhadores de uma casa espírita trajam-se normalmente, de forma simples. A discrição deve fazer parte dos que trabalham no local, pois ali estão para auxiliar as pessoas que buscam orientação para seus problemas materiais e espirituais.

Trajes especiais: o Espiritismo não tem roupas especiais para os dias de trabalhos ou mesmo no dia-a-dia das seus adeptos. Enfeites, amuletos, colares, vestimentas com cores que significariam o bem (branca) ou o mal (negra, vermelha) não têm fundamento para o espírita.

Inexistência de rituais, amuletos e imagens: o verdadeiro centro espírita não pratica em suas atividades nenhum tipo de ritual. A Doutrina Espírita segue o que o Mestre Jesus ensinou: que Deus é Espírito, e deve ser adorado em espírito e verdade. Portanto, sem a necessidade de nada material para contatarmos com a espiritualidade.

Presença de rituais como: ajoelhar-se frente a algo ou alguém, beijar a mão ou louvar os responsáveis pela casa, benzer-se, sentar-se no chão ou ficar levantando e sentando durante os trabalhos, proferir determinadas palavras (mantras) para evocar os Espíritos. Nas sedes dos verdadeiros centros espíritas não são encontradas imagens de santos ou personalidades do movimento espírita, amuletos de sorte, figuras que afastam ou atraem maus Espíritos, incensos, velas e tudo o mais que seja material e que teoricamente serviria de ligação com o mundo espiritual. Animais para sacrifício: o local que possui este tipo de prática ou decoração não é espírita. O Espiritismo é contrário a qualquer tipo de sacrifício animal. Espíritos que pedem este tipo de atividade são Espíritos atrasados, ignorantes da Lei de Deus e muitas vezes maléficos, que podem prejudicar a vida de quem dá ouvidos aos seus baixos desejos.

Comunicação particular com os Espíritos: os grupos espíritas têm reuniões específicas e íntimas para que os trabalhadores da casa, aptos e preparados durante longos estudos para tal, possam comunicar-se com os Espíritos. E através deles, obter informações do mundo espiritual, orientações e mesmo ajudar no afastamento de perturbações espirituais que porventura estejam prejudicando alguém. Todo este cuidado baseia-se na orientação dos próprios Espíritos superiores, responsáveis pela elaboração do Espiritismo, como também no alerta de João, o Evangelista, que em sua 1ª Epístola, capítulo IV, versículo 1, diz: "Amados, não creiais em todos os Espíritos, mas provai se os Espíritos são de Deus". Agindo assim, o centro espírita evita o máximo possível a influência de Espíritos zombeteiros e maldosos, que muitas vezes vêem neste contato com os encarnados a oportunidade de tecer comentários mentirosos e doutrinas esdrúxulas. A seriedade de reuniões fechadas os intimida, favorecendo a presença dos Espíritos esclarecidos.
Há alguns tipos de trabalhos mediúnicos, principalmente de psicografia (escrita dos Espíritos através de médiuns), onde pessoas levam até lá o nome de entes desencarnados para tentarem a comunicação dos mesmos através da mediunidade, e ficam observando a manifestação. O médium Francisco Cândido Xavier, conhecido como Chico Xavier, da cidade mineira de Uberaba, é um destes exemplos. Porém, nestes casos, o Espírito não se comunica diretamente com seu parente. Apenas influencia o médium, que escreverá, de forma discreta e ordenada, a mensagem do além.

Comunicação de Espíritos em público: a Doutrina Espírita é contrária a este tipo de manifestação, cercada geralmente de curiosidades e interesses materiais, ao invés do bom senso que deve permear toda comunicação espiritual. Há locais em que os médiuns recebem seus "guias" ou "Espíritos protetores", teoricamente responsáveis pelo funcionamento da casa, e orientam os consulentes sobre qualquer tipo de dúvida. Muitas vezes, as respostas dadas por este tipo de Espírito não têm base científica ou doutrinária alguma, seguindo apenas seu próprio conhecimento, que pode ser limitado. Em vários destes lugares em que há a manifestação pública, as entidades espirituais são servidas de fumo, bebida, comida, ingeridas pelo médium incorporado. Com isso, mostram a limitação destes Espíritos, ainda muito apegados aos vícios e prazeres materiais.

Desenvolvimento cauteloso da mediunidade: a Doutrina Espírita explica que todo ser vivo tem mediunidade, pois é através dela que os encarnados recebem influências boas e más do mundo espiritual, que servirão de ajuda ou aprendizado no decorrer de suas existências terrenas. São chamados de médiuns aqueles capazes de proporcionar a manifestação dos espíritos. O Espiritismo adverte que para poder ampliar esta ligação com o mundo espiritual, é necessário que o médium passe por uma série de preparativos. Anos de estudo, maturidade, modificação moral constante, vida regrada, abstendo-se dos vícios mais grosseiros, como o fumo e a bebida, são algumas das regras básicas para que o indivíduo possa vir a desenvolver sua mediunidade, e estão contidas em "O Livro dos Médiuns" . Os centros espíritas verdadeiros não aconselham a pessoa a trabalhar mediunicamente sem antes passar por este período e preparação citados. Muito menos diz que alguém "precisa" desenvolver a mediunidade. Ninguém é obrigado a nada, afirma a Doutrina. Todos têm seu livre-arbítrio, e mesmo que o ser tenha um canal mediúnico amplo, próprio para o desenvolvimento da mediunidade, e não quiser desenvolvê-lo, não há problema. Tudo o que é forçado é prejudicial ao homem.

Desenvolvimento mediúnico forçado: se ao chegar em um ambiente espiritualista lhe afirmarem que sua mediunidade "precisa" ser desenvolvida, caso contrário você sofrerá as consequências materiais e espirituais; sua vida será um transtorno; que os Espíritos estão lhe chamando para o trabalho; que esta é a sua missão; com certeza este não é um local que segue a Doutrina Espírita. Há seitas e religiões afro-brasileiras que obrigam a pessoa a desenvolver-se mediunicamente e depois as ameaçam com terríveis problemas futuros se elas deixarem de "trabalhar". Isto gera angústia, medo e desespero nos envolvidos, que geralmente acabam vítimas de graves obsessões (influência maléfica persistente de um Espírito atrasado sobre outro ser). Cuidado!

Não há promessas de curas: o verdadeiro centro espírita não promete a cura para quem o procura. A Doutrina afirma que a cura de uma influência espiritual ou doença material depende de uma série de fatores, entre os quais a modificação moral do enfermo, sua necessidade, seus problemas relacionados com encarnações anteriores e acima de tudo, se há ou não a permissão de Deus para que haja a solução da dificuldade. Muitas vezes, o sofrimento é um período necessário para o ser refletir sobre sua existência, e o único que sabe quando é a hora disso terminar é o Criador.O que o centro espírita faz é um pronto-socorro aos necessitados de amparo e esclarecimento, é de todas as formas possíveis (orações, tratamentos espirituais, passes, orientações morais e materiais) tenta minimizar o sofrimento alheio, rogando a Jesus que se o Pai permitir, que interceda junto ao indivíduo.

Promessas de cura: qualquer lugar que prometa a cura de problemas espirituais ou materiais, sem levar em consideração os fatores já citados, não é um local espírita. Condicionar uma cura à frequência exclusiva naquele ambiente, ao pagamento de dinheiro ou bens materiais, ou mesmo à "força da casa" não tem base no Espiritismo e foge do bom senso que regula as leis de Deus. Estas, não podem ser modificadas de acordo com nossa vontade. Por isso, prometer algo que não depende apenas de nós mesmos beira a irresponsabilidade e pode levar a pessoa desesperada ao desequilíbrio total ou à descrença em Deus.

Passes simples: o passe é um método utilizado dentro dos centros espíritas. Nada mais é do que a simples imposição das mãos de médiuns sobre a fronte de outras pessoas, transmitindo-lhes fluidos magnéticos e espirituais (energias positivas do próprio médium e de bons Espíritos), no intuito de fortalecer-lhes o corpo e a parte espiritual. Tem duração em média de 30 segundos a 01 minuto. Geralmente, é aplicado dentro de salas específicas, após a palestra, individual ou coletivamente, com o público sentado e o passista de pé. Apenas são feitas orações, em pensamento, pelos médiuns, rogando o amparo de Jesus àqueles que estão recebendo os fluidos. Os passistas não ficam incorporados pelos Espíritos, apenas recebem sua influência mental e fluídica.Importante: nunca há necessidade do passista tocar a pessoa que recebe o passe. Toques, apertos, carícias têm grandes possibilidades de serem mal-interpretados, gerando confusões, e por isso são dispensados no centro espírita.

Passes com movimentos: locais em que os passes são aplicados com movimentos bruscos, utilizando objetos, baforadas de cigarro ou charuto, estalando-se os dedos, repetindo mantras e cânticos, tocando várias partes do corpo do receptor não são centros espíritas. Passistas que transmitem os passes incorporados por entidades, fazendo orientações ou conversando normalemente, não são médiuns espíritas.

Todo o serviço espiritual é gratuito: o verdadeiro centro espírita não cobra nenhuma orientação ou ajuda espiritual de seu público, nem condiciona o recebimento de curas ou salvação às doações. Dar de graça o que de graça receber, ensinou Jesus, em alusão aos conhecimentos espirituais. Não aceita dinheiro por serviços prestados mediunicamente. Seus dirigentes e trabalhadores têm profissões próprias, que lhes dão o sustento financeiro necessário para suas vidas. Quem sustenta materialmente a casa espírita são seus trabalhadores, através de doações mensais, destinadas ao pagamento de aluguéis, manutenção, divulgação doutrinária e aquisição de alimentos, roupas e demais objetos a serem distribuídos às famílias carentes ou instituições filantrópicas que sejam assistidas pelo grupo. Todo valor arrecadado será exposto em balanços mensais, para que tanto trabalhadores como frequentadores tenham acesso sobre onde é investido o dinheiro do centro espírita. Caso algum frequentador da casa queira doar algo ao núcleo, é preferível que a doação seja feita em gêneros alimentícios, roupas, materiais de construção e afins, que poderão ser destinados aos carentes ou mesmo utilizados na manutenção da casa. Se houver por algum motivo uma doação em dinheiro, o centro espírita deverá fornecer um recibo ao doador e inscrever esta doação no balanço mensal do grupo.

Cobrança pela ajuda espiritual: todo local que cobra dinheiro, favores ou exige qualquer coisa ou favor material devido à ajuda espiritual prestada não é um centro espírita. A cobrança financeira é própria de pessoas que vivem da exploração da crença alheia, contrariando os ensinos de Jesus. Há seitas que pedem dinheiro aos seus assistidos afirmando que será usado para o feitio de trabalhos espirituais, como a compra de velas, comida, roupas e coisas do gênero. Isso não é Espiritismo. Espíritos que se prestam a fazer serviços espirituais em troca de coisas materiais são entidades atrasadas, que nada de bom podem trazer aos que os procuram.
Não podemos comprar a paz de espírito e tranquilidade que buscamos, é isto que prega a Doutrina Espírita. Se não for esta a orientação do local, com certeza não é um ambiente espírita.

http://www.espiritismo.org/oqueeo.htm
**********************************************************************************
Blog Associação Espírita Santo Agostinho

Como desenvolver as atividades de um centro espírita


A Doutrina Espírita, ou Espiritismo, tem como lema a liberdade de expressão. Assim, não há um órgão centralizador, como ocorre, por exemplo, na Igreja Católica. Há apenas os princípios básicos que sustentam a Doutrina, ou seja: a existência de Deus, dos Espíritos, a possibilidade da comunicação com eles, a existência do mundo espiritual, da Lei de causa e efeito e a reencarnação.
Diante disso, cada centro espírita tem a possibilidade de praticar as atividades doutrinárias da maneira que achar melhor, sendo essencial o bom senso e a seriedade na execução das mesmas.
Colocaremos abaixo, 11 das principais atividades que podem ser praticadas dentro de um centro espírita.
Há que se levar em consideração o espaço físico e a quantidade de pessoas preparadas em um centro espírita, para que todas as atividades possam ser colocadas em prática. Pois caso o grupo espírita ainda não disponha de trabalhadores suficientes ou preparados para os serviços citados, melhor optar por praticar apenas os que tenham condições. Posteriormente, com uma organização e planejamento, poderá ampliar as atividades para melhor atender ao público freqüentador.
A prática correta ou não destas atividades vai variar de acordo com o conhecimento do grupo que dirigir a casa. E a melhor maneira de sabermos se os trabalhos estão sendo feitos dentro dos preceitos de Allan Kardec é analisarmos os resultados obtidos, tanto na orientação como nos tratamentos dos problemas materiais e espirituais dos que buscam ajuda no centro espírita.

Recepção: aquele que chega pela primeira vez no centro espírita geralmente tem uma série de dúvidas a respeito do funcionamento da casa. Muitas vezes nem sabe o que irá encontrar ali, haja visto a grande confusão que há na sociedade sobre o que é e o que não é Espiritismo. Havendo uma recepção, que pode ser uma simples mesa ou uma sala, o indivíduo poderá para lá se dirigir e obter as informações sobre horário de funcionamento da casa, trabalhos desenvolvidos etc.
É necessário que a pessoa responsável pela recepção tenha total conhecimento das atividades da casa e que se mantenha simpática em todos os momentos. Precisamos lembrar que a recepção é o primeiro contato do visitante com o centro espírita. E quase sempre é a primeira impressão que cativará ou afastará o público do grupo.
É necessário que também se evite lidar com dinheiro na recepção. Muitas vezes é na própria recepção que trabalhadores e freqüentadores da casa fazem doações ou pagamentos de alguma promoção beneficente promovida pelo grupo. Para as pessoas que chegam pela primeira vez ao centro espírita, pode causar estranheza e interpretações equivocadas sobre o motivo do dinheiro. Assim, é melhor que qualquer movimentação de dinheiro só seja feita em envelopes ou após o final dos trabalhos abertos ao público.

Palestras: é o principal trabalho de uma casa espírita (veja exemplos de palestras escritas). O ser humano só consegue libertar-se de seus vícios morais ou materiais quando se esclarece dos malefícios que os mesmos trazem para sua existência. É através das palestras que os oradores conseguem levar o conhecimento espiritual existente na Doutrina Espírita.
Porém, por ser uma atividade de maior seriedade, deve ser entregue a pessoas preparadas doutrinariamente e experientes em relação à vida cotidiana. É importante também que o palestrante busque aperfeiçoar-se em técnicas de oratória, o que o ajudará na apresentação das idéias.
O assistente precisa sentir no palestrante o que a Doutrina chama de força moral. Ou seja, que o expositor esteja falando de algo que conhece e pratica.
O tempo destinado à palestra também é importante. Muito curtas, são superficiais; compridas, tornam-se exaustivas. O ideal são palestras que tenham duração de no mínimo 30 minutos e no máximo 40 minutos.
Seu teor deve mesclar os postulados da Doutrina Espírita e o Evangelho de Jesus. Sempre que possível, relacioná-los com o dia-a-dia da sociedade. Assim, o ouvinte poderá fazer ligações do que está ouvindo com seus próprios problemas e dúvidas.
Importante: no momento da palestra, é aconselhável que as demais atividades da casa sejam interrompidas para que todos os trabalhadores e público possam escutá-la. Lembremos que a palestra será o agente modificador do necessitado e incentivador dos que prestam assistência no núcleo.

Atendimento particular: chamado em alguns centros espíritas de consulta ou entrevista, este trabalho visa orientar e ajudar espiritualmente pessoas detentoras de problemas mais graves, e quando necessário, submetê-las a um tratamento espiritual.
Em uma sala reservada, um atendente e um auxiliar (trabalhadores experientes da casa) receberão para uma conversa íntima indivíduos desajustados emocionalmente, desesperados, com dificuldades familiares, amorosas, financeiras, desiludidos da vida.
A recepcionista da casa se encarregará de preencher uma ficha com os dados básicos do atendido (nome, idade, estado civil, endereço), encaminhando-a aos atendentes. Estes, após conversarem com a pessoa, farão os demais apontamentos que julgarem necessários para o acompanhamento do caso, como: estado emocional, religião praticante, se é portador de algum desequilíbrio mental já diagnosticado por médicos, se está sob efeito de remédios, e outras informações que poderão ajudá-los em um possível tratamento espiritual.
Casas que já possuem médiuns devidamente preparados poderão detectar durante a entrevista ou em uma reunião mediúnica se há ou não uma influência espiritual atuando junto ao ser, orientando-o após isso sobre as atitudes a serem tomadas. Caso contrário, o atendente terá seu trabalho limitado, mas poderá orientar o indivíduo dentro de um posicionamento cristão, ajudando-o a corrigir seus defeitos e encontrar a paz procurada.
Importante:
a) Todas as informações prestadas pelo entrevistado ao atendente serão altamente sigilosas. As fichas que contêm anotações sobre a vida particular da pessoa deverão ficar em um fichário sob a responsabilidade daqueles que participaram da entrevista.
b) Caso haja a utilização de um médium verificando a atividade espiritual ao lado do atendido, possíveis manifestações de Espíritos nunca devem ocorrer na presença do necessitado, para evitar possíveis distúrbios psíquicos ou impressões indesejadas.

Tratamento espiritual: todo aquele em que foi diagnosticada uma influência espiritual (obsessão) deverá passar por um tratamento espiritual. Ele consiste na aplicação de passes semanais, a ingestão de água fluidificada e o acompanhamento das palestras no centro espírita, buscando a análise constante das imperfeições que possibilitaram à má influência instalar-se ao seu lado, tentando melhorar-se moralmente a cada dia.
Este tratamento será complementado nas reuniões de desobsessão, onde os responsáveis pela ajuda continuarão a evocar a entidade perturbadora no sentido de orientá-la a seguir outro caminho.
Assim, atua-se nos dois campos que geram o problema obsessivo: o obsediado, orientando-o moralmente e auxiliando-o fluidicamente; e o obsessor, alertando-o de seu estado e encaminhando-o para um melhor estágio espiritual.

Reunião mediúnica e de desobsessão: trata-se de reuniões íntimas onde apenas participam os médiuns (pessoas com maior capacidade de sentir a influência dos Espíritos) da casa e alguns trabalhadores auxiliares, pois ali muitas vezes serão tratados assuntos que dizem respeito à vida particular de pessoas que buscaram auxílio no centro espírita.
A reunião mediúnica serve para que os bons espíritos dêem orientações e para que os sofredores manifestem-se, podendo ser ajudados através de orientações do doutrinador presente. Nela, também é praticada a mediunidade de novatos e médiuns experientes, aperfeiçoando a forma de intercâmbio com o mundo espiritual.
Quanto à reunião de desobsessão, é aconselhável, porém não imprescindível, que seja realizada em dia diferente da reunião mediúnica. Na desobsessão, participariam como médiuns apenas os mais experientes, devido ao nível vibratório das entidades comunicantes, que geralmente é mais baixo. Em centros que utilizam o Atendimento Particular, depois de passarem pela sala de atendimento, e verificadas possíveis influências espirituais (obsessão), os casos serão levados às reuniões de desobsessão. Nestas reuniões, o dirigente da sessão fará o que Allan Kardec denominou de evocação, ou seja: solicitará a Jesus e aos Espíritos superiores que permitam a manifestação da entidade espiritual que está acompanhando determinado ser. Ao se manifestar em um dos médiuns presentes, este Espírito receberá o que o Espiritismo chama de doutrinação, que nada mais é do que uma conversa franca e amigável com o Espírito comunicante. O trabalhador responsável tentará obter do Espírito o que ele deseja ao lado do necessitado e tentará convencê-lo a afastar sua influência, com a ajuda dos Espíritos que dirigem a casa. Também poderão existir manifestações espirituais espontâneas, de acordo com a necessidade prevista pela equipe material e espiritual responsáveis pela reunião.
Importante: para conseguirem-se bons resultados na doutrinação dos Espíritos é necessário que médium e doutrinador tenham uma vida moral sadia. Vícios materiais, como o cigarro, a bebida ou as drogas; e vícios morais, como o adultério, o orgulho, a sensualidade exagerada e a mentira devem ser combatidos rapidamente por aqueles que se dispõem a trabalhar em nome de Jesus em um centro espírita.
Assim como nas palestras, onde o exemplo moral do palestrante é que tocará o indivíduo que o escuta, na mediunidade o Espírito só será convencido de que precisa se modificar se sentir que quem o está orientando ou dando-lhe passagem está esforçando-se também para isso. Caso contrário, a evocação dificilmente trará benefícios ao sofredor.

Passes: os passes são transmissões de fluidos de um ser para outro. Os fluidos são energias que fazem parte da estrutura material e espiritual dos seres. Nos centros espíritas é aconselhável que os médiuns passistas tenham uma vida regrada, sem os vícios já citados no item "Reuniões mediúnicas". Afinal, se seus fluidos estiverem contaminados por maus pensamentos ou atitudes indevidas poderão prejudicar ao invés de auxiliar quem os recebe.
O passe é aplicado apenas com a imposição das mãos do passista sobre a fronte do indivíduo. Não é necessário tocá-lo.
No momento do passe, o passista busca sintonia com os Espíritos superiores, geralmente através de uma prece feita de pensamento. Com isso, estes amigos espirituais poderão ajuntar seus fluidos aos fluidos do médium, favorecendo ainda mais quem está recebendo. A pessoa após o passe irá se sentir fortalecida e mais disposta frente aos problemas por quais passa.
Importante: o passe é um complemente espiritual, e não a solução. Para que o indivíduo possa melhorar é necessário que busque constantemente a libertação de suas imperfeições. Aqueles que buscam a casa espírita apenas para receber o passe devem ser orientados sobre a necessidade do esclarecimento através das palestras e das boas leituras.

Livro de preces: muitas pessoas que vêm ao centro têm parentes e amigos que não podem acompanhá-los por variados motivos: doença, viagem, trabalho ou mesmo ignorância sobre o que é a Doutrina Espírita. Outras há que gostariam que seus entes desencarnados recebessem boas vibrações através de orações feitas no núcleo. O livro de preces serve para isso. As pessoas deixam lá os nomes, idade e endereço dos que elas gostariam que fossem beneficiados pela prece. Um trabalhador da casa pode ficar responsável por anotar os dados, que posteriormente serão levados para a reunião mediúnica. Assim, em determinada parte do trabalho, será feita uma prece a Jesus e aos bons Espíritos, pedindo que possam interceder junto àqueles que ali estão anotados.
É necessária a discrição do responsável pelo Livro, para não constranger ou questionar demais aquele que lá coloca um nome.
Importante: sempre que possível, orientar ao público que embora as preces à distância possam levar ajuda, o ideal é a presença da pessoa na casa espírita, onde o amparo será mais direto e os resultados melhores.

Estudo doutrinário: é indispensável ao bom funcionamento do centro espírita o estudo semanal da Obras Básicas da Doutrina Espírita. Para os trabalhadores em geral, é aconselhável a leitura de "O Livro dos Espíritos" e de "O Evangelho Segundo o Espiritismo". Quanto aos que trabalham na mediunidade, a leitura de "O Livro dos Médiuns" torna-se obrigatória para o bom desenvolvimento de suas faculdades.
Se a casa espírita fica sem estudo torna-se presa fácil de Espíritos atrasados que vez por outra tentam atrapalhar o bom andamento dos trabalhos em nome de Jesus. Conhecendo as Obras Básicas da Doutrina, as orientações de Kardec e os conselhos dos Espíritos superiores os trabalhadores do centro estarão mais atentos para saberem se estão ou não fazendo da casa um núcleo espírita sério.
As obras acessórias que existem no movimento espírita, psicografadas (escritas através de médiuns influenciados por Espíritos) por Chico Xavier, Divaldo Pereira Franco e tantos outros médiuns de renome também podem ser estudadas, desde que não sejam o alvo principal dos estudos. O trabalhador precisa estudar e revisar constantemente as obras de Kardec para poder separar o joio do trigo existente nas obras acessórias.
Importante: Para os que estão ingressando ou querendo ingressar nos trabalhos da casa, é importante que o centro tenha um Curso para Iniciantes.
Há vários cursos deste tipo no movimento espírita, que trazem um resumo da Doutrina e de sua história. É aconselhável que diferente dos trabalhadores, que devem estudar sempre, os iniciantes tenham um curso de curta duração (no máximo 4 meses, com aulas semanais). Caso contrário, poderão desanimar antes de conhecerem mais a fundo o Espiritismo.
Se o curso seguir estas dicas, com certeza será um grande auxiliar na captação de novos trabalhadores para o centro.

Assistência social: a caridade material/social deve fazer parte de toda casa espírita. Se ficarmos apenas na teoria, sem colocar "a mão na massa", o centro corre o risco de tornar-se apenas um núcleo de muita conversa e pouco serviço.
Para que uma atividade possa ser desenvolvida a contento, é necessário que haja pessoas comprometidas com o serviço. Horários e dias para os trabalhos devem ser definidos e não feitos aleatoriamente. As pessoas envolvidas devem ter consciência da responsabilidade que assumiram, pois muitos carentes da ajuda material e espiritual estarão aguardando o amparo anunciado. Por isso, só deve-se abrir frentes que possam ser mantidas, e não apenas iniciadas sem um planejamento prévio.
Recursos financeiros devem ser destinados para a assistência social. O grupo espírita poderá desenvolver promoções beneficentes periódicas visando arrecadar fundos, tanto para a manutenção da casa, como também para a abertura e ampliação dos trabalhos caritativos.
É importante que toda a parte financeira utilizada tenha relatórios e balancetes mensais de prestação de contas aos trabalhadores da casa, como também ao público em geral, caso necessário. Isso evita possíveis dúvidas e aumenta a confiança dos que se dispõem a ajudar financeiramente a casa.
Trabalhos assistenciais a serem desenvolvidos não faltam: visitas a enfermos em hospitais, manicômios, orfanatos, asilos; distribuição de cestas de alimento, de roupas, de comida; desenvolvimento de escolas profissionalizantes, cursos de gestantes, e evangelização infantil em favelas; visitas a casas de pessoas enfermas; campanha de arrecadação de alimentos em bairros e supermercados; e muitas outras formas de auxílio aos carentes do pão material e da orientação espiritual.
Todo trabalhador do centro espírita deve buscar ao menos um tipo de caridade material por semana. Isso desenvolverá dentro dele o sentimento de compaixão ao próximo, que lhe será muito útil em sua vida, dentro e fora da casa espírita.

Evangelização e Mocidade: o centro espírita não tem como função substituir os pais na educação religiosa de seus filhos. Porém, pode ser um importante auxiliar neste sentido. Tanto a Evangelização infantil como o trabalho das Mocidades visam integrar a criança e o jovem aos princípios da moral cristã e dos conhecimentos da Doutrina Espírita.
A Evangelização deve ser coordenada por pessoas preparadas no contato com crianças e conhecedoras dos princípios da Doutrina Espírita. Geralmente, as idades admitidas neste setor vão de 04 a 13 anos, subdividindo-as em salas de acordo com a idade, como por exemplo: 4 a 6 anos; 7 a 10 e 11 a 13 anos. É evidente que há grupos que não detêm espaço suficiente para tais divisões, e então irão se adaptar às condições físicas da casa.
O importante é que sejam desenvolvidos os aspectos morais cristãos, preconizados pelo Espiritismo, incutindo nas crianças o desejo da ajuda mútua e do amor ao próximo. Isso pode ser estimulado através de histórias e atividades que busquem fazer as crianças perceberem o quanto é importante cooperar, ser útil e agir pensando no próximo.
Geralmente, a Evangelização infantil ocorre no momento das Palestras Públicas, pois enquanto os pais estão absorvendo os ensinos da Doutrina, seus filhos estarão sendo evangelizados dentro dos preceitos de Jesus e do Espiritismo.
Já a Mocidade é direcionada geralmente a jovens com idade entre 14 e 18 anos. A idade pode variar um pouco, para mais ou para menos. O importante é que não haja grandes diferenças, pois diferentemente da Evangelização, na Mocidade há uma propensão para diálogos e fóruns de discussão sobre temas polêmicos, à luz da Doutrina Espírita. Assuntos como drogas, sexo, violência, próprios da vida que o jovem irá enfrentar, devem ser discutidos e analisados, visando mostrar o que Jesus e o Espiritismo podem ajudá-los em suas escolhas.
É necessário que os responsáveis tenham um conhecimento acima da média sobre a Doutrina Espírita, pois o questionamento do jovem sempre busca uma resposta coerente para suas dúvidas. Além disso, é aconselhável que sejam pessoas que não tenham vícios como o cigarro e o álcool, pois servirão de exemplos aos jovens, mostrando que não há a necessidade de fumar ou beber para sentirem-se felizes.
Enfim, a Mocidade serve principalmente para integrar o jovem no trabalho voluntário, desenvolvendo no mesmo a vontade de ser útil. E fazendo com que ele compreenda que a Doutrina Espírita não é uma religião coercitiva, proibindo tal ou qual coisa. Mas sim, que o Espiritismo nos alerta para as conseqüências de nossos atos.

Divulgação doutrinária: a Doutrina Espírita precisa ser bem divulgada para que diminuam as confusões existentes entre ela e cultos espiritualistas ou afro-brasileiros. Ter uma biblioteca na casa é de extrema importância. O centro poderá comprar ou receber em doações uma série de livros doutrinários que possam esclarecer o leitor sobre as bases do Espiritismo e do mundo espiritual. Estas obras devem ser emprestadas ao público que terá cerca de vinte dias para ler e devolvê-la para a casa. Uma pessoa fica responsável pelo empréstimo e anotação do nome, endereço e telefone do locatário. Com isso, se caso houver uma demora na devolução, o bibliotecário poderá contatar o leitor e lembrá-lo de devolver a obra para que outras pessoas possam usufruí-la também.
Outra forma importante de divulgação são os folhetos (veja exemplo) ou jornais doutrinários que podem ser confeccionados pelo grupo. O teor das matérias deve ser o esclarecimento das práticas espíritas, a exposição de temas evangélicos e o comentário de situações e fatos do cotidiano à luz da Doutrina Espírita.
Estes veículos de divulgação podem ser entregues aos frequentadores da casa, como também distribuídos nas redondezas do centro espírita, de casa em casa, servindo como propaganda para o núcleo espírita.
TV, internet e rádio também são ótimos veículos de divulgação doutrinária. O grupo deve analisar qual dos meios é o mais apropriado, financeiramente e com pessoas preparadas para desenvolvê-los, e então começar o trabalho.
Persistência e boa vontade são essenciais para que o objetivo de divulgação seja alcançado.

Conclusão

Allan Kardec, na Revista Espírita do mês de junho do ano de 1865, afirma o seguinte sobre a necessidade de trabalharmos com responsabilidade e seriedade em um centro espírita:
"Notemos igualmente que é nos centros espíritas verdadeiramente sérios que se fazem os mais sinceros adeptos, porque os assistentes são tocados pela boa impressão que recebem. Ao passo que nos centros espíritas levianos e frívolos, só se é atraído pela curiosidade, que nem sempre é satisfeita. Compreender o verdadeiro objetivo da Doutrina Espírita, empregando-a para fazer o bem a desencarnados e encarnados, é pouco recreativo para certas pessoas, temos que convir. Mas é mais meritório para os que a isso se devotam". Desenvolver as atividades de um centro espírita com bom senso e perseverança fará com que o espiritismo consiga atingir seus ideais, que são principalmente o esclarecimento e consolação dos que o procuram.
Abaixo, reproduziremos comentários de Allan Kardec, em "O Livro dos Médiuns", capítulo 29, a respeito da importância de haver organização nas Sociedades Espíritas.
É um texto muito importante para a reflexão dos espíritas sérios, que visam a prática coerente dos ensinos presentes na Codificação.



Das Sociedades propriamente ditas

334. Tudo o que dissemos das reuniões em geral se aplica naturalmente às Sociedades regularmente constituídas, as quais, entretanto, têm que lutar com algumas dificuldades especiais, oriundas dos próprios laços existentes entre os seus membros.
Freqüentes sendo os pedidos, que se nos dirigem, de esclarecimentos sobre a maneira de se formarem as Sociedades, resumi-los-emos aqui nalgumas palavras.
O Espiritismo, que apenas acaba de nascer, ainda é diversamente apreciado e muito pouco compreendido em sua essência, por grande número de adeptos, de modo a oferecer um laço forte que prenda entre si os membros do que se possa chamar uma Associação, ou Sociedade. Impossível é que semelhante laço exista, a não ser entre os que lhe percebem o objetivo moral, o compreendem e o aplicam a si mesmos. Entre os que nele vêem fatos mais ou menos curiosos, nenhum laço sério pode existir.
Colocando os fatos acima dos princípios, uma simples divergência, quanto à maneira de os considerar, basta para dividi-los. O mesmo já não se dá com os primeiros, porquanto, acerca da questão moral, não pode haver duas maneiras de encará-la. Tanto assim que, onde quer que eles se encontrem, confiança mútua os atrai uns para os outros e a recíproca benevolência, que entre todos reina, exclui o constrangimento e o vexame que nascem da suscetibilidade, do orgulho que se irrita à menor contradição, do egoísmo que tudo reclama para a pessoa em quem domina.
Uma Sociedade, onde aqueles sentimentos se achassem partilhados por todos, onde os seus componentes se reunissem com o propósito de se instruírem pelos ensinos dos Espíritos e não na expectativa de presenciarem coisas mais ou menos interessantes, ou para fazer cada um que a sua opinião prevaleça, seria não só viável, mas também indissolúvel. A dificuldade, ainda grande, de reunir crescido número de elementos homogêneos deste ponto de vista, nos leva a dizer que, no interesse dos estudos e por bem da causa mesma, as reuniões espíritas devem tender antes à multiplicação de pequenos grupos, do que à constituição de grandes aglomerações. Esses grupos, correspondendo-se entre si, visitando-se, permutando observações, podem, desde já, formar o núcleo da grande família espírita, que um dia consorciará todas as opiniões e unirá os homens por um único sentimento: o da fraternidade, trazendo o cunho da caridade cristã.

335. Já vimos de quanta importância é a uniformidade de sentimentos, para a obtenção de bons resultados. Necessariamente, tanto mais difícil é obter-se essa uniformidade, quanto maior for o número. Nos agregados pouco numerosos, todos se conhecem melhor e há mais segurança quanto à eficácia dos elementos que para eles entram. O silêncio e o recolhimento são mais fáceis e tudo se passa como em família. As grandes assembléias excluem a intimidade, pela variedade dos elementos de que se compõem; exigem sedes especiais, recursos pecuniários e um aparelho administrativo desnecessário nos pequenos grupos. A divergência dos caracteres, das idéias, das opiniões, aí se desenha melhor e oferece aos Espíritos perturbadores mais facilidade para semearem a discórdia. Quanto mais numerosa é a reunião, tanto mais difícil é conterem-se todos os presentes. Cada um quererá que os trabalhos sejam dirigidos segundo o seu modo de entender; que sejam tratados preferentemente os assuntos que mais lhe interessam. Alguns julgam que o título de sócio lhes dá o direito de impor suas maneiras de ver. Daí, opugnações, uma causa de mal-estar que acarreta, cedo ou tarde, a desunião e, depois, a dissolução, sorte de todas as Sociedades, quaisquer que sejam seus objetivos. Os grupos pequenos jamais se encontram sujeitos às mesmas flutuações. A queda de uma grande Associação seria um insucesso aparente para a causa do Espiritismo, do qual seus inimigos não deixariam de prevalecer-se. A dissolução de um grupo pequeno passa despercebida e, ao demais, se um se dispersa, vinte outros se formam ao lado. Ora, vinte grupos, de quinze a vinte pessoas, obterão mais e muito mais farão pela propaganda, do que uma assembléia de trezentos ou de quatrocentos indivíduos.
Dir-se-á, provavelmente, que os membros de uma Sociedade, que agissem da maneira que vimos de esboçar, não seriam verdadeiros espíritas, pois que a caridade e a tolerância são o dever primário que a Doutrina impõe a seus adeptos. É perfeitamente exato e, por isso mesmo, os que procedam assim são espíritas mais de nome que de fato. Certo não pertencem à terceira categoria. (Veja-se o n. 28.) Mas, quem diz que eles sequer mereçam o simples qualificativo de espíritas? Uma consideração aqui se apresenta, não destituída de gravidade.

336. Não esqueçamos que o Espiritismo tem inimigos interessados em obstar-lhe à marcha, aos quais seus triunfos causam despeito, não sendo os mais perigosos os que o atacam abertamente, porém os que agem na sombra, os que o acariciam com uma das mãos e o dilaceram com a outra. Esses seres malfazejos se insinuam onde quer que contem poder fazer mal. Como sabem que a união é uma força, tratam de a destruir, agitando brandões de discórdia. Quem, desde então, pode afirmar que os que, nas reuniões, semeiam a perturbação e a cizânia não sejam agentes provocadores, interessados na desordem? Sem dúvida alguma, não são espíritas verdadeiros, nem bons; jamais farão o bem e podem fazer muito mal. Ora, compreende-se que infinitamente mais facilidade encontram eles de se insinuarem nas reuniões numerosas, do que nos núcleos pequenos, onde todos se conhecem. Graças a surdos manejos, que passam despercebidos, espalham a dúvida, a desconfiança e a desafeição; sob a aparência de interesse hipócrita pela causa, tudo criticam, formam conciliábulos e corrilhos que presto rompem a harmonia do conjunto; é o que querem. Em se tratando de gente dessa espécie, apelar para os sentimentos de caridade e fraternidade é falar a surdos voluntários, porquanto o objetivo de tais criaturas é precisamente aniquilar esses sentimentos, que constituem os maiores obstáculos opostos a seus manejos. Semelhante estado de coisas, desagradável em todas as Sociedades, ainda mais o é nas associações espíritas, porque, se não ocasiona um rompimento gera uma preocupação incompatível com o recolhimento e a atenção.

337. Se mau rumo a reunião tomar, dir-se-á, não terão as pessoas sensatas e bem-intencionadas, a ela presentes, o direito de crítica; deverão deixar que o mal passe, sem dizerem palavra, e aprovar tudo pelo silêncio? Sem nenhuma dúvida, esse direito lhes assiste: é mesmo um dever que lhes corre.
Mas, se boa intenção os anima, eles emitirão suas opiniões, guardando todas as conveniências e com cordialidade, francamente e não com subterfúgios. Se ninguém os acompanha, retiram-se, porquanto não se concebe que quem não esteja procedendo com segundas intenções se obstine em permanecer numa sociedade onde se façam coisas que considere inconvenientes.
Pode-se, pois, estatuir como princípio que todo aquele que numa reunião espírita provoca desordem, ou desunião, ostensiva ou sub-repticiamente, por quaisquer meios, é, ou um agente provocador, ou, pelo menos, um mau espírita, do qual cumpre que os outros se livrem o mais depressa possível. Porém, a isso obstam muitas vezes os próprios compromissos que ligam os componentes da reunião, razão por que convém se evitem os compromissos indissolúveis. Os homens de bem sempre se acham suficientemente comprometidos: os mal-intencionados sempre o estão demais.

338. Além dos notoriamente malignos, que se insinuam nas reuniões, há os que, pelo próprio caráter, levam consigo a perturbação a toda parte aonde vão: nunca, portanto, será demasiada toda a circunspeção, na admissão de elementos novos. Os mais prejudiciais, nesse caso, não são os ignorantes da matéria, nem mesmo os que não crêem: a convicção só se adquire pela experiência e pessoas há que desejam esclarecer-se de boa-fé. Aqueles, sobretudo, contra os quais maiores precauções devem ser tomadas, são os de sistemas preconcebidos, os incrédulos obstinados, que duvidam de tudo, até da evidência; os orgulhosos que, pretendendo ter o privilégio da luz infusa, procuram em toda parte impor suas opiniões e olham com desdém para os que não pensam como eles. Não vos deixeis iludir pelo pretenso desejo que manifestam de se instruírem. Mais de um encontrareis, que muito aborrecido ficará se for constrangido a convir em que se enganou. Guardai-vos, principalmente, desses peroradores insípidos, que querem sempre dizer a última palavra, e dos que só se comprazem na contradição. Uns e outros fazem perder tempo, sem nenhum proveito, nem mesmo para si próprios. Os Espíritos não gostam de palavras inúteis.

339. Visto ser necessário evitar toda causa de perturbação e de distração, uma Sociedade espírita deve, ao organizar-se, dar toda a atenção às medidas apropriadas a tirar aos promotores de desordem os meios de se tornarem prejudiciais e a lhes facilitar por todos os modos o afastamento. As pequenas reuniões apenas precisam de um regulamento disciplinar, muito simples, para a boa ordem das sessões. As Sociedades regularmente constituídas exigem organização mais completa. A melhor será a que tenha menos complicada a entrosagem. Umas e outras poderão haurir o que lhes for aplicável, ou o que julgarem útil, no regulamento da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, que adiante inserimos.

340. Contra um outro escolho têm que lutar as Sociedades, pequenas ou grandes, e todas as reuniões, qualquer que seja a importância de que se revistam. Os ocasionadores de perturbações não se encontram somente no meio delas, mas também no mundo invisível. Assim como há Espíritos protetores das associações, das cidades e dos povos, Espíritos malfeitores se ligam aos grupos, do mesmo modo que aos indivíduos. Ligam-se, primeiramente, aos mais fracos, aos mais acessíveis, procurando fazê-los seus instrumentos e gradativamente vão envolvendo os conjuntos, por isso que tanto mais prazer maligno experimentam, quanto maior é o número dos que lhes caem sob o jugo.
Todas as vezes, pois, que, num grupo, um dos seus componentes cai na armadilha, cumpre se proclame que há no campo um inimigo, um lobo no redil, e que todos se ponham em guarda, visto ser mais que provável a multiplicação de suas tentativas. Se enérgica resistência o não levar ao desânimo, a obsessão se tornará mal contagioso, que se manifestará nos médiuns, pela perturbação da mediunidade, e nos outros pela hostilidade dos sentimentos, pela perversão do senso moral e pela turbação da harmonia.
Como a caridade é o mais forte antídoto desse veneno, o sentimento da caridade é o que eles mais procuram abafar. Não se deve, portanto, esperar que o mal se haja tornado incurável, para remediá-lo; não se deve, sequer, esperar que os primeiros sintomas se manifestem; o de que se deve cuidar, acima de tudo, é de preveni-lo. Para isso, dois meios há eficazes, se forem bem aplicados: a prece feita do coração e o estudo atento dos menores sinais que revelam a presença de Espíritos mistificadores. O primeiro atrai os bons Espíritos, que só assistem zelosamente os que os secundam, mediante a confiança em Deus; o outro prova aos maus que estão lidando com pessoas bastante clarividentes e bastante sensatas, para se não deixarem ludibriar.
Se um dos membros do grupo for presa da obsessão, todos os esforços devem tender, desde os primeiros indícios, a lhe abrir os olhos, a fim de que o mal não se agrave, de modo a lhe levar a convicção de que se enganou e de lhe despertar o desejo de secundar os que procuram libertá-lo...".

http://www.espiritismo.org/atividades.html